Pedro Blois, presidente da Federação Nacional dos Urbanitários – FNU – saudou o surgimento da Fruse e o seu uso como instrumento de mobilização. “Ela nasce em um momento de luta contra esse governo golpista”.

Com a presença de lideranças sindicais de várias parte do Brasil, o auditório do Sinergia CUT, em Campinas (SP), presenciou na sexta-feira, 14 de setembro, a fundação da Federação Regional dos Urbanitários do Sudeste (FRUSE) e que engloba entidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Na oportunidade, os delegados decidiram aprovar a filiação da nova entidade a CUT –  Central Única dos Trabalhadores. A Fruse nasce com uma base territorial de 72 mil trabalhadores e com 49 mil trabalhadores filiados as seis entidades e que são as seguintes: Sinergia Campinas, SindPrudente, Sindae, Sindicato dos Eletricitários de Niterói (Stieen), Sindicato dos Trabalhadores em Energia e Gás (Sinergia ES) e  o Sindicato dos Trabalhadores em Saneamento do norte e nordeste do estado do Rio de Janeiro.

O presidente do Sinergia Campinas, Carlos Alberto Alves, afirmou que a nova entidade chega em hora decisiva, em que os trabalhadores são atacados em seus direitos e conquistas. “Todos os movimentos da direita são para extirpar os sindicatos da face da terra e estamos aqui para fundar uma entidade para defender os trabalhadores”, afirmou.

Sônia Auxiliadora, secretária de Política Sindical da CUT, afirmou na assembleia de fundação da entidade que apenas a união e a determinação poderão evitar o desmanche dos direitos e que a presença de uma entidade focada na aglutinação dos trabalhadores fará a diferença. “Dentro da atual conjuntura não há dúvida que precisamos alterar a nossa organização sindical porque percebemos que o capital não tem fronteiras e busca retirar nossos direitos independente da categoria envolvida”, afirmou Auxiliadora.

Pedro Blois, presidente da Federação Nacional dos Urbanitários – FNU – saudou o surgimento da Fruse e o seu uso como instrumento de mobilização. “Ela nasce em um momento de luta contra esse governo golpista. E estávamos aguardando isso porque é um processo que já dura 10 anos”, afirmou. Para ele, a grande vantagem das Federações é a proximidade da base o que permite que as Confederações formulem as políticas do setor, algo também ressaltado por Paulo de Tarso, presidente da Confederação Nacional dos Urbanitários. “É um processo sem volta. Não há mais volta. Agora vamos lutar para regularizar a CNU até o final e assim nos transformamos em referência nacional”, afirmou. “Tenho certeza de que o projeto é vitorioso”, arrematou. (fonte: Sinergia SP CUT)

A fundação da Fruse é uma importante iniciativa para a consolidação da CNU – Confederação Nacional dos Urbanitários, somando-se as já criadas FRUNE – Federação Nacional dos Urbanitários do Nordeste e a Furcen – Federação dos Urbanitários das Regiões Centro-Oeste e Norte.

Urbanitários em luta: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento.
ÁGUA, ENERGIA E SANEAMENTO NÃO SÃO MERCADORIAS!


 

Deixe uma resposta

Fechar Menu