De acordo com autoridades e especialistas em saúde, esta semana será crucial para o Brasil na transmissão do Coronavirus. Segundo o próprio ministro da Saúde, o Brasil terá o pico de contágio em abril e será justamente neste final de março o período mais necessário ao isolamento social, tendo em vista o tempo de incubação do COVID-19.

Diante desse cenário desolador e preocupante, o Sindieletro reitera que cobra do grupo Cemig, das demais empresas do setor elétrico que o Sindicato negocia e também das empreiteiras a serviço da estatal, a necessidade de cumprir rigorosamente as orientações dos órgãos nacionais e internacionais da área de saúde, como o Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde (OMS), e de todas as esferas de poder que têm autoridade para determinar medidas de prevenção (prefeituras, governo estadual, entre outras).

Estamos em contato permanente com as empresas.

Cobramos que as empresas facilitem ao máximo para o trabalhador ficar em casa de quarentena, em trabalho remoto ou aguardando novas ordens. Para isso, nossa proposta é que as empresas  limitem o atendimento presencial nas áreas administrativa e operacional, atendendo apenas as demandas de emergência, visto que a população não pode ficar sem energia. Reivindicamos a suspensão dos serviços programados que podem ser adiados até segunda ordem.

Para as atividades essenciais, que não podem esperar, o Sindieletro cobra que os trabalhadores e trabalhadoras tenham o mínimo de contato social de casa para o trabalho e vice-versa. Incluindo a autorização de uso de veículos das empresas para o deslocamento  residência/trabalho, para o início e final da jornada.

Além disso, cobramos que as empresas forneçam  equipamentos e materiais necessários para o cumprimento das orientações dos órgãos nacionais e internacionais de saúde, como álcool gel 70 graus, máscaras e, se necessários, luvas.

Cobramos também que as empresas estudem a possibilidade de implementar turnos de seis horas para todos que necessitam realizar tarefas presenciais.  Assim, estarão evitando aglomerações sobretudo no momento do almoço, em restaurantes. Aliás, várias cidades já decretaram fechamento de bares e restaurantes, ficando inúmeros trabalhadores e trabalhadoras com dificuldades para as refeições. Em turnos de seis horas, cada um poderá se programar para almoçar em casa.

O mesmo protocolo de prevenção para trabalhadores de todo o sistema elétrico de Minas

Para todos os trabalhadores e trabalhadoras do sistema elétrico em Minas Gerais, do quadro próprio e terceirizados da Cemig e demais empresas sob a base de representação do Sindieletro, reivindicamos o mesmo protocolo de prevenção contra o contágio do COVID-19. Esse esforço coletivo é fundamental para combater essa pandemia que assola vários países em todo mundo.

Os trabalhadores e trabalhadoras terceirizados a serviço da Cemig e das outras empresas que negociamos precisam da mesma proteção dispensada ao pessoal do quadro próprio. Pediremos que as empresas negociem com as empreiteiras e avaliem os contratos para acertar as medidas.

Fechar Menu