Leia a nota do Sindiágua/RS : 👇
A piora nos serviços de água e esgoto prestados por empresas privadas já preocupa a comunidade que manifesta sua indignação pela forma como os usuários são tratados. Um dos exemplos vem de Santa Maria, onde alguns serviços da Corsan já estão terceirizados.

A empresa contratada foi realizar um corte d´água e não havendo pessoas na residência danificou o muro e o portão da casa para acessar o hidrômetro. O procedimento foi filmado por populares, circulou nas redes e gerou revolta.

O presidente do Sindiágua, Arilson Wünsch, informa que várias queixas deste gênero chegam à entidade e causam muita preocupação. “Muitas vezes sabemos que o funcionário terceirizado é penalizado mas a empresa contratada não sofre as consequências. Com a orientação privatista do atual governador Eduardo Leite e do presidente da Corsan, Roberto Barbuti, os consumidores são os mais prejudicados com de um serviço que trata de um bem público, que é a água, e a desumanização no atendimento ao usuário como já vem ocorrendo”, registra.

Os funcionários da Corsan são especializados em suas áreas e têm uma relação próxima com as comunidades em que atuam e sabem estar prestando um serviço essencial. O Sindiágua exige que a diretoria da Corsan determine que as empresas que prestam serviço à Companhia identifiquem seus funcionários e veículos como terceirizados e não como parte da estatal para não haver confusão nos usuários, essa identificação deverá ser com carros e uniformes diferentes dos trabalhadores/as da Corsan.

Para o dirigente do Sindiágua, a entidade vem fazendo os recorrentes alertas e campanhas mostrando que privatizar piora o atendimento, desumaniza as relações e deixa os serviços de água e esgoto mais caros, como se comprova em todas as partes do mundo onde ocorreu e agora estão reestatizando o serviço. A entidade está ingressando na justiça para suspender os aditivos realizados por 74 municípios com a Corsan e evitar a venda da estatal programada para os próximos meses pelo governador Eduardo Leite.

“Há irregularidades nesses contratos. O Sindiágua segue na luta com todos os seus associados para defender a Corsan pública, água de qualidade para todos e relação humanizada com os usuários”, conclui.
Fonte: Sindiágua-RS