A Amazonas Energia foi privatizada e a pergunta que não quer calar é se a empresa privada que arrematou a companhia no leilão do última dia 10 de dezembro vai querer investir no interior do estado do Amazonas sem que tenha a lucratividade de volta.

No início do processo, a senadora Vanessa Grazziotin foi uma das que alertaram, da tribuna do Senado, que no “entorno dessa possível privatização há algo criminoso contra a população da Região Norte e contra o país”. Para ela, “a Amazonas Energia, por exemplo, é lucrativa somente em Manaus. Não há garantias de que haverá de fato investimentos no interior, justamente a região mais necessitada do serviço”.

Para o senador Eduardo Braga (MDB-AM), cada uma das concessionárias teria de ser analisada com cautela, caso a caso, “porque existem companhias já em condições de serem entregues à iniciativa privada e outras cuja privatização é inviável, a não ser que os consumidores sejam expostos a um reajuste de tarifas absurdo”.

Impacto na conta de luz
Braga citou como exemplo a Amazonas Energia, que tem dívida com a Petrobras de R$ 20 bilhões, e questionou: “como privatizar uma empresa que deve R$ 20 bi sem que isso tenha impacto gigantesco na conta de luz paga pelos consumidores?”.

Ainda, segundo ele, “isso tudo sem falar de outras questões regulatórias que precisam ser saneadas antes da privatização”.  (fonte: Em tempo)

Leia também:
TST mantém válido leilão da Amazonas Energia e jurídico dos eletricitários já prepara medidas contra essa ilegalidade

Urbanitários em luta: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento.
ÁGUA, ENERGIA E SANEAMENTO NÃO SÃO MERCADORIAS!

Fechar Menu