O Sindaema apresentou, nas duas últimas reuniões realizadas com a Cesan, sua preocupação com a precarização das condições de trabalho oriundas da terceirização, e questionou também as condições da operação dos sistemas de água e esgoto.

A última reunião com os representantes do RH e com as gerências do interior da empresa aconteceu no dia 25 de fevereiro, quando foram discutidos os seguintes pontos:

🔹 Acesso e melhorias nos sistemas (ETA’s);
🔹 Terceirização da operação dos sistemas de água e da função de operador;
🔹 Dificuldades dos operadores de gozo do 6.1.4;
🔹 Substituição dos operadores no período de férias e horário de refeição.

O sindicato também manifestou preocupação com o cenário atual de queda na qualidade dos serviços prestados à sociedade, exatamente no momento de celebração de Termos Aditivos aos Contratos de Programa impostos pela nova legislação do setor.

Destacou ainda que o sucateamento, abandono, subdimensionamento das estações e precarização das condições de saúde segurança do trabalho relacionados às áreas operacionais da empresa são frutos de terceirizações e contratos mal geridos por parte da Cesan.

O resultado das terceirizações inconsequentes e desmedidas estão estampadas nos jornais, que relatam cotidianamente a queda na qualidade dos serviços prestados, principalmente nas últimas semanas, quando as denúncias de falta d’água, má qualidade da água fornecida e descontinuidade na prestação dos serviços vieram à tona.

O sindicato, mais uma vez, deixou claro seu posicionamento contra a terceirização de atividades fins na empresa e cobrou soluções.

A Cesan se comprometeu em apresentar ao sindicato a planilha de investimentos de ampliação e melhorias dos sistemas de abastecimento de água e respectivo plano de ação até o próximo dia 31, assim como a lista das ETAs que a empresa prevê terceirizar.