O golpista Michel Temer desconsidera a opinião pública e, em meio aos feriados de final de ano, baixou uma medida provisória (MP 814/2017) liberando a privatização da Eletrobras e suas subsidiárias. Segundo pesquisa do Datafolha, divulgada em 26 de dezembro, 70% dos brasileiros são contrários à venda de empresas públicas.

Com a medida provisória, Temer levantou a proibição prevista na lei 10848/2004, que trata da comercialização de energia elétrica no país.

A MP, publicada no Diário Oficial da União no último dia 29/12, retira da lei do setor elétrico o artigo que excluía a Eletrobras e suas controladas – (Furnas, Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), Eletronorte, Eletrosul e a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE) – do Programa Nacional de Desestatização.

Sancionada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a lei 10848/2004 tirou a Eletrobras do programa de privatização criado por seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso.

Esta é a terceira medida provisória editada por Temer para abrir caminho para a venda da Eletrobras. Em junho de 2016, o presidente editou a MP 735, aprovada pelo Congresso e convertida na Lei 13360/16, que facilita a transferência do controle de ativos e as privatizações de distribuidoras da Eletrobras.

Em agosto/2017, o governo anunciou a intenção de privatizar a estatal, responsável por um terço da geração de energia no país. De acordo com o Ministério de Minas e Energia, o valor patrimonial da Eletrobras é de R$ 46,2 bilhões e o total de ativos da empresa soma R$ 170,5 bilhões.

A MP assinada por Temer também trata da contratação de energia para os sistemas que não estão interligados ao Sistema Interligado Nacional. Localizados em regiões de difícil acesso, como é o caso de algumas localidades da Região Norte, os sistemas isolados são abastecidos prioritariamente por usinas térmicas. (com informações da EBC e Blog do Esmael)

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu