Em lançamento do livro “Se é público, é para todos” entidades e professores analisam os impactos do programa de privatização de Temer sobre a economia e a sociedade brasileira

Apesar das mobilizações dos trabalhadores e movimentos sociais, das 157 empresas públicas listadas pelo Governo Federal, 30% delas já foram privatizadas, conforme aponta a coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, Rita Serrano. Durante debate realizado no último dia 17 de agosto, na Universidade Federal do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), especialistas analisaram os impactos da privatização em curso desde 2016.

Coautora do livro “Se é público, é para todos”, organizado pelo colunista da Rádio Brasil Atual Emir Sader, Rita afirma que as privatizações em conjunto com o sucateamento das empresas públicas, resultam em um processo de perdas para o Brasil, que afetam a população e o próprio governo, que deixa de lucrar com os dividendos repassados ao Estado pelas empresas estatais.

Ao repórter Jô Miyagui, do Seu Jornal, da TVT, o docente em Ciência Política da UFABC Sidney Jard da Silva acrescenta que, à medida que o programa de privatização do governo golpista de Michel Temer avança, o desenvolvimento econômico e social é comprometido. “O Estado deve estar a serviço da população e para ele prestar esse serviço é preciso controlar e regular certos setores estratégicos”, defende. (fonte: CUT)

Assista à reportagem completa:

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu