Em boletim, a AEEL – Associação dos Empregados da Eletrobras – denuncia o descaso da direção da Eletrobras com a integridade dos funcionários no caso da mudança para o prédio que abrigará a sede da empresa no Rio de Janeiro-RJ.

Leia:

Em 9/10, a AEEL distribuiu o informe 137/18, no qual informava aos trabalhadores e trabalhadoras sobre a visita técnica às instalações do Edifício Mario Bhering, futura sede da Empresa, realizada juntamente com o SINTERGIA, SINAERJ, SINDECON, SENGE e SINSERJ.

No informe apresentamos alguns questionamentos que as Entidades de Representação acreditavam que seriam respondidos pela Direção da Eletrobras, ao menos dentro das regras do respeito e dignidade. Mas, como de praxe, as respostas não vieram.

No decorrer dessa semana fomos surpreendidos com várias mensagens de trabalhadores e trabalhadoras, informando que em reunião de DEE de 20/10/, fora elaborado o calendário de mudança para o novo endereço, a partir do feriado de FINADOS, ou seja, 02/11.

Outra denúncia diz que a Eletrobras tem um laudo aprovando a reforma realizada, não o laudo do Corpo de Bombeiro e/ou Prefeitura, mas sim o de uma empresa particular, da qual ninguém tem conhecimento da capacidade técnica ou se teria amparo legal dos órgãos oficiais para emissão de tal liberação.

Lamentamos “o silêncio dos inocentes”, principalmente da Diretora de Administração, Aracilba Rocha, pois o processo de mudança está sob sua responsabilidade, bem como o arcabouço geral do corpo funcional, através da Gestão de Pessoas.

Para finalizar, ratificamos que a direção da Eletrobras, antes de autorizar ou determinar, conforme imposição do senhor Pinto Junior, a transferência dos trabalhadores e trabalhadoras para as instalações do “prédio único”, tem por obrigação e respeito ao seu PATRIMÔNIO INTELECTUAL, DIVULGAR E APRESENTAR todos os documentos de liberação aprovados pelos órgãos fiscalizadores, PRINCIPALMENTE OS ÓRGÃOS OFICIAIS (Prefeitura e Corpo de Bombeiros), antes de qualquer divulgação de calendário de mudança.

A AEEL e as Entidades de Representação não são contra a mudança para novas dependências, mas o que está em jogo é a segurança e a integridade física dos trabalhadores e trabalhadoras.

Sendo assim, diante do silêncio da Direção da Eletrobras, que demonstra descaso com as preocupações dos trabalhadores e trabalhadoras, solicitaremos informações diretamente à Prefeitura e ao Corpo de Bombeiros acerca das condições do edifício Mário Bhering, bem como a tomada de medidas judiciais cabíveis, visando a segurança corpo funcional.

Veja o boletim da AEEL: Informe Aeel 144_18_Risco_predio_Novo

Leia também:
Luta contra privatização da Eletrobras não acabou: continuamos firmes
. Vitória: Senado rejeita projeto sobre venda de distribuidoras da Eletrobras

Urbanitários em luta: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento.
ÁGUA, ENERGIA E SANEAMENTO NÃO SÃO MERCADORIAS!

 

Fechar Menu