30/04/2015

Sindágua-MG: estabelece reuniões mensais com a Copasa

por: Sindágua-MG

A diretoria Executiva do SINDÁGUA foi recebida na tarde de quinta-feira, dia 30, pelo Diretor de Gestão Corporativa da Copasa (DGC), Francisco Eduardo Queiroz Cançado, quando foi anunciado que Sindicato e empresa cumprirão um calendário mensal para discutir as questões administrativas em todo o Estado.
O diretor de Gestão, afirmou que a Copasa pretende aprofundar a discussão da empresa com o Sindicato, através de um processo aberto para abordar questões pontuais.

NÃO À PRIVATIZAÇÃO

Nesta primeira reunião, o Sindicato teve oportunidade de apontar alguns pontos de discordância quanto à gestão que vem desde a direção anterior da empresa, principalmente a questão do aditamento da PPP do Rio Manso, que a entidade acredita ser possível ter sua obra realizada pelos próprios trabalhadores da empresa e a um custo infinitamente menor.
O diretor da empresa demonstrou sua preocupação com o grande volume de contratos de concessões vencendo neste ano. Foram 66 até março e no ano chegam a 106 contratos para serem discutidos. A perda da concessão de Pará de Minas e as ameaças sobre contratos de concessões de Montes Claros, Ubá e Santa Luzia acenderam a “luz vermelha” na empresa, para que não se repita a mesma omissão nas negociações com os executivos municipais praticada pela direção anterior da empresa e pelo Governo do Estado.
Francisco Cançado apresentou também uma evolução deste 2002 do quadro e gasto com pessoal na empresa desde 2002, mas reiterou várias vezes que entende que os contratos de terceirização representam o maior custo da empresa, alertando que se paga hoje os erros do passado. Afirmou que todos os contratos serão revistos, passando um “pente fino” em todos eles.

O presidente do SINDÁGUA, José Maria dos Santos, lembrou que “a Copasa perdeu o foco no saneamento e priorizou a busca do lucro, não podendo mais convivermos com o processo de sucateamento que passou a ser gerida”.

 

 

27/04/2015

Sindiágua-RS: Começam as negociações da Campanha Salarial 2015/2016

por: Sindiágua-RS

 

Foi realizada a primeira reunião de negociação da Campanha Salarial 2015/2016. O encontrou reuniu a Direção do SINDIÁGUA, a Comissão de Negociação, escolhida pelos trabalhadores em Assembleia Geral, e o diretor Administrativo da Companhia. Na ocasião, foi definido o calendário de reuniões que contemplará um dia inteiro de negociações a cada semana, de acordo com a agenda do diretor Administrativo.

Como de praxe, o SINDIÁGUA solicitou a prorrogação do Acordo Coletivo de Trabalho vigente até que o próximo seja assinado. Esse procedimento é comum para que os trabalhadores sejam amparados pelo ACT. O Sindicato também solicitou o acolhimento imediato de 62 cláusulas que não sofreram alterações em seus textos atuais.

O diretor Administrativo ressaltou a intenção de trazer a FIERGS para a mesa de negociação a nível de consultoria para trazer dados técnicos em auxilio à Companhia. O SINDIÁGUA, novamente, contesta a participação da FIERGS, já que ela não tem legitimidade para negociar junto à Corsan, pois a Companhia, além de pública, está ligada ao Governo do Estado.

Além disso, a FIERGS representa empresas privadas e é notória defensora dos direitos privados e do estado mínimo.

 

 

27/04/2015

Cosanpa tenta mais uma vez barrar trabalhadores no Conselho de Administração

por: STIUPA

 

A diretoria da Cosanpa continua tentando impedir a participação dos trabalhadores em seu Conselho de Administração. Depois de sucessivas derrotas, a empresa voltou a ingressar com recurso (Agravo Regimental) tentando reverter o jogo. Mas no dia 26 de março de 2015, a Sessão Especializada II (TRT-PA) decidiu manter a decisão de fevereiro de 2014 e reafirmar a validade da cláusula que determina a eleição do dirigente sindical para a vaga no Conselho. Quer dizer, a Cosanpa é uma empresa que enfrenta milhares de problemas, no entanto gasta dinheiro, tempo e energia tentando impedir a participação dos trabalhadores em seu Conselho de Administração.
O questionamento do ano passado continua valendo, por que tanta repulsa em ter um trabalhador nas reuniões do Conselho? Vale lembrar mais uma vez que a empresa foi para a Justi tentar barrar uma cláusula que foi negociada e acordada entre empresa e Sindicato.

 

 

27/04/2015

CEB reconsidera e se compromete a aplicar a promoção por merecimento no pagamento de abril

Depois de afirmar que não haveria verba para o pagamento em abril/2015 da promoção por mérito, como divulgado pelo STIU-DF na última segunda-feira (20/04), a empresa voltou atrás em sua decisão e comunicou hoje ao Sindicato e à categoria que cumprirá o calendário anterior, garantindo no próximo contracheque o reposicionamento salarial dos empregados contemplados com a mencionada promoção.

Diante da informação, o Sindicato reiterou à empresa a solicitação expressa na Carta STIU-DF nº 072/2015, endereçada ao Assessor de Relações Sindicais (ARS) e SRH da CEB, referente à divulgação prévia do quantitativo de empregados contemplados com o mérito, bem como da nota de corte.

O STIU-DF havia alertado, em nota, que o descumprimento do cronograma previsto para aplicação do mérito seria um verdadeiro “tiro no pé”, pois sinalizaria ao conjunto da categoria que, a despeito da necessária mobilização interna visando a efetiva recuperação da Companhia, a diretoria da empresa não hesitaria, em nome desse processo, em sacrificar direitos e garantias previstos no ACT e em outros normativos. Valeu o alerta e a CEB, felizmente, recuou. Que não pare por aí essa medida de bom senso e o respeito aos trabalhadores e trabalhadoras da empresa.

 

Norma Interna prevê duas referências para o mérito

Embora o STIU-DF tenha reivindicado a aplicação de uma referência para o mérito, visando a ampliação do número de empregados a serem contemplados com a promoção, o pagamento será efetuado considerando duas referências, pois a empresa já havia editado Norma Interna prevendo essa condição. O Sindicato continuará lutando para ampliar os recursos destinados a manutenção do PCCS, já que a atual dotação de 1% da folha de pagamento se mostra insuficiente para garantir a sua efetividade, principalmente em relação à promoção por antiguidade.

 

Reunião da Comissão de PLR marcada para 12/05

Está confirmada para 12/05/2015 a reunião da Comissão de PLR da CEB, que definirá a média da folha a ser utilizada como base para pagamento do benefício em 31/05/2015. Inicialmente previsto para esse mês de abril, o evento foi remarcado por solicitação da CEB, que alegou a necessidade de um prazo mais razoável para apurar a referida média. Assim, a pauta será exatamente o fechamento do valor a ser distribuído linearmente aos empregados.

 

 

17/04/2015

Trabalhadores da grande João Pessoa comparecem em massa à Assembleia Geral Extraordinária de apresentação, apreciação e votação da pauta 2015

por: Sindiágua-PB

No dia 15/04, às 08:30h, aconteceu a Assembleia Geral Extraordinária em frente a sede Central da CAGEPA em Jaguaribe, conforme edital publicado no jornal da Paraíba edição do dia 11 de Abril de 2015, para todos os trabalhadores e trabalhadoras de João Pessoa, Grande João Pessoa e Regional do Litoral. Foi lido o edital de convocação e apresentada a pauta de reivindicação do termo aditivo ao ACT – 2014 – 2016.

Após uma explanação da contextualização da atual conjuntura econômica e da campanha salarial 2014, o Presidente do SINDIÁGUA-PB, José Reno, apresentou a pauta assessorada pelo DIEESE-PB e discutida no conselho sindical no último dia 10 de Abril. Participaram da Assembleia o Presidente da ASSECA, Rubens Falcão e Francisco Santana representando a ASTECA. Sendo assim, a pauta aprovada com 307 votos a favor e duas abstenções é a seguinte:

  • Inflação do Período + 4% de ganho real;
  • 23,08% de aumento no ticket Alimentação, chegando a um total de R$800,00

A proposta acima será levada ao conjunto de trabalhadores em todo estado e após o termino das Assembleias para apresentação, apreciação e aprovação da proposta, o SINDIÁGUA-PB protocolará a mesma na CAGEPA e na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego para garantia da data-base (1º de Maio) e para dar início às negociações propriamente dita.

Aproveitamos o momento de dia nacional de lutas contra as terceirizações e o PL4300, que precariza os direitos dos trabalhadores e banaliza a CLT.

 

16/04/2015

Sindiágua-PB reitera defesa pela manutenção dos serviços públicos de água e esgoto, na Paraíba, em Sessão da Câmara da Capital

por: Sindiágua-PB

 

A manutenção da Capela, como estatal do poder público paraibano, voltou a ser recentemente propalada na Câmara Municipal de João Pessoa, por ocasião das comemorações alusivas ao Dia Mundial da Água (22 de março), cuja propositura foi apresentada pelo vereador Eduardo Carneiro (SD), subscrita pelo vereador Marco Antônio (PPS), por solicitação do Sindiágua-PB.

Na defesa de pontos de vista da entidade, uníssona entre todos os seus dirigentes, o presidente José Reno de Sousa, falando da tribuna da Câmara de Vereadores da Capital, construiu argumentos que se assentaram no binômio eficiência-eficácia, para reprovar, por completo, quaisquer insinuações que visem à municipalização e/privatização da empresa.

Discorrendo, enfaticamente, acerca da importância da água como o mais primoroso bem de consumo da Humanidade, Reno – como é mais conhecido o sindicalista – salientou que a ‘tese’, tanto da municipalização como da privatização, contraria, frontalmente, todo um conjunto de regras – determinadas e vigentes – construído em recente decisão do Congresso Nacional, em reconhecimento à eficiência e eficácia dos serviços prestados, pela Cagepa e congêneres, aos mais diversos setores da sociedade, também no que concerne ao saneamento básico.

Atraindo atenções, tanto de vereadores quanto de populares presentes à Sessão, o presidente do Sindiágua-PB ateve-se, com mais ênfase, à tese da municipalização, tomando, como pano-de-fundo da discussão, a cidade de Campina Grande. É que, segundo ele, na gestão do ex-prefeito Veneziano Vital do Rego (PMDB), ventilou-se a possibilidade de se municipalizar esses serviços, o que foi prontamente rechaçado, pela entidade e via judicial, sob o argumento de que tal medida causaria sérios e inúmeros prejuízos, não só aos trabalhadores da empresa, porém, para toda a sociedade da Paraíba, sobretudo no que diz respeito à política de subsídios cruzados, que busca universalizar a prestação desses serviços, entre a população e os setores da economia, com positiva e profunda repercussão na saúde pública.

 

 

09/04/2015

Falta de pessoal compromete serviço da Celpa Equatorial

O Sindicato dos Urbanitários recebeu a denúncia de que a localidade de Anapú está há mais de quatro meses com a Agência de Atendimento ao Cliente fechada, devido a empresa CGB, responsável pelo atendimento, ter dificuldade em contratar profissionais.
Fomos informados por trabalhadores da região que devido o custo  de vida ser muito alto no município dificilmente a CGB vai encontrar profissionais na área de atendimento para ganhar como salário líquido um valor inferior ao mínimo.
Fomos informados também que o executivo de Rede da Regional Centro Oeste já se comprometeu em resolver o problema e até o momento nada foi feito. Denúncias afirmam que quando a população anapuense precisa de um atendimento naquela localidade, tem que se deslocar para Pacajá, a 80 Km, ou para Altamira, a 140 Km.  Esta realidade está na contramão da propaganda do Grupo Equatorial.
Ainda de acordo com denúncias, no maior Pólo Industrial do Setor Madeireiro, o município de Uruará, a situação é bem pior. A população está revoltada com a demora dos serviços prestados pela Celpa Equatorial.
Em Uruará, havia uma equipe própria e uma terceirizada para atender todos os serviços comerciais no perímetro urbano e um imenso perímetro Rural. Com o desligamento da equipe própria que tinha grande experiência e conhecimento da região todos os serviços foram para a equipe terceirizada, que não está dando conta das demandas.
Há informações de que a população está preparando denúncia ao MPE sobre maus serviços prestados pela Celpa naquele município. Eles reivindicam a contratação de outra equipe própria.

 

09/04/2015

Insatisfação em Baixo Guandu pode paralisar as atividades

por: Sindaema-ES

A direção do Sindaema-ES  se reuniu, no último dia 6/04, com os trabalhadores do Saae de Baixo Guandu para definir os pontos principais do Acordo Coletivo de Trabalho 2015. Os relatos dos trabalhadores deixam bem claro que há problemas com a tabela salarial, que está totalmente defasada, com salário inicial abaixo de R$ 600,00, e que não há nenhuma proposta de correção da inflação.

Durante a assembleia, a categoria deliberou para realizar uma audiência com o prefeito do município, Neto Barros, como uma última tentativa de evitar a greve, já que a reunião com o diretor do Saae não trouxe retorno das reivindicações.

 

 

06/04/2015

por: Sintern

 

Os trabalhadores terceirizados da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN) decidiram paralisar as atividades ontem, 1º, por tempo indeterminado. O número de empregados que prestam serviços para Cosern somam quase três mil trabalhadores em oito empresas contratadas.

Durante a manhã, os servidores da empresa B&Q ficaram parados em frente à sede da companhia, no bairro de Cidade Alta. Entretanto, a greve atinge outros municípios do Rio Grande do Norte, como Assu e Mossoró.

De acordo com Marcos Silva, o motivo da paralisação é a falta de negociação do reajuste salarial, uma vez que o período de data-base foi em fevereiro deste ano e nunca finalizou a negociação. Além disso, eles querem melhores condições de trabalho para os servidores.

“Atualmente, o salário da empresa que trabalhamos é R$ 870,00 por mês e queremos um aumento no salário de R$ 990,00 e um vale-alimentação de R$ 14,00. Algumas empresas terceirizadas já recebem em torno de R$ 1.000,00″, comentou.

Os funcionários da B&Q também ainda reivindicam a agregação do veículo, que é o pagamento das diárias dos carros que rondam por todo o Rio Grande do Norte, no qual não há reajuste há mais de quatro anos.

A greve vai prejudicar o atendimento do corte de energia elétrica, leitura do medidor de energia e fiscalização.  O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Energética e Empresas Prestadores de Serviços no Setor Elétrico do Rio Grande do Norte (SINTERN), por meio da assessoria de imprensa, disse que outros funcionários das empresas também passam por esse problema.

O Sintern pede a unificação da data-base para 1º de fevereiro, combate a práticas antissindicais, fim do assédio moral, reajustes salariais acima da inflação, reivindicação de equipamento de proteção individual e coletiva, pagamento de direitos trabalhistas (FGTS e 13º salário) e conquistas de benefícios.

 

A B&Q chegou a se reunir com representantes da categoria, mas as negociações não avançaram.

 

 

06/04/2015

Trabalhadores da CAGEPA aprovam proposta da Campanha Salarial

por: Ascom STIUPB

 

Em assembleias realizadas pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba – STIUPB, durante o mês de março, os trabalhadores da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba – CAGEPA, aprovaram a proposta da Campanha Salarial da categoria para o ano de 2015.

Foi decidido nas assembleias, que a categoria irá reivindicar um reajuste salarial de 13 % e o aumento do tíquete alimentação em 23,08 %, bem como a diminuição da participação dos trabalhadores na parcela do plano de saúde.

O presidente do STIUPB, Wilton Maia Velez, afirmou que nos últimos anos a categoria vem sofrendo uma perda muito grande em relação ao salário mínimo, e destacou a importância dos trabalhadores estarem mobilizados e participando das atividades sindicais.

“Para além do debate do reajuste dos salarial dos trabalhadores e a reposição de perdas que se verificam ao longo de algum tempo, foi debatido nas assembleias os assuntos políticos importantes que assolam a vida corporativa da CAGEPA, a exemplos dos inúmeros processo que correm na Justiça do Trabalho, além dos problemas referentes ao desmantelamento estrutural instalada na empresa e que prejudica a vida laboral e a qualidade dos serviços prestados ao povo” afirmou Wilton.

O próximo passo da campanha, será protocolar a proposta aprovada junto a Diretoria da CAGEPA, a ação ocorrerá no próximo dia 01/04, quando será realizada uma reunião com o presidente da Companhia.

 

Fechar Menu