Empresa arrematou quatro empreendimentos que somam aportes de mais de R$ 6 bilhões. Consórcio EMTEP e CPFL Geração também se destacaram levando três e dois lotes, respectivamente

O último leilão de transmissão de 2018 terminou agora por volta das 15:20 horas desta quinta-feira, 20 de dezembro, na B3, em São Paulo – SP.

Dos 18 lotes colocados à disposição dos investidores todos foram licitados. O maior vencedor foi a Neoenergia com os lotes 1, 2, 3 e 14 que juntos somam uma RAP ofertada de R$ 501,2 milhões ante o máximo de cerca de R$ 1 bilhão, deságio de cerca de 50%.

A empresa controlada pela espanhola Iberdrola iniciou o leilão apresentando os maiores deságios e levou os três primeiros lotes do certame. Dentre eles o maior em termos de investimento e RAP permitida, o Lote 1, no Rio Grande do Sul. Ao total a empresa comprometeu-se a investir, segundo dados da Aneel, mais de R$ 6 bilhões nos quatro ativos arrematados.

A sessão parou às 12 horas por 90 minutos para o almoço e quando retornou para a licitação dos lotes 9 a 16 apresentou o mesmo cenário de competitividade vista antes do intervalo.

Inclusive, nessa segunda metade foram incluídos os empreendimentos que formavam o extinto Lote A da Eletrosul, cuja concessão teve a caducidade declarada pela Aneel. O maior lote, o de número 10, apresentou a maior disputa com 10 lances a viva voz da qual o Consórcio Chimarrão saiu vencedor com um lance de R$ 219.500.000,00.

A expectativa pela participação dos indianos da Sterlite e dos chineses da State Grid não se confirmou. A primeira começou a aparecer mais ao final ao levar o lote 13, no Rio Grande do Sul. Os chineses não ficaram diretamente com nenhum projeto. A CPFL Geração, controlada pelos chineses, contudo, ficou com dois lotes no certame.

Veja abaixo os ganhadores de cada um dos lotes e a composição de cada projeto:
LOTE 1
A Neoenergia apresentou um lance de R$ 194.157.000,00 ante o máximo de R$ 452.369.159,00, deságio de 57,07%. Esse era o maior em termos de investimentos com previsão de aportes da Aneel na casa de R$ 2,8 bilhões.
O lote 1 é formado por linhas de transmissão e subestações na região Sul do país, conforme descrito abaixo:
– LT 525 kV Areia – Joinville Sul, C1, com 292 km;
– LT 525 kV Joinville Sul – Itajaí 2, C1, com 82 km;
-LT 525 kV Itajaí 2 – Biguaçu, C1, com 63 km;
-LT 230 kV Rio do Sul – Indaial, CD, C1 e C2, com 2 x 51 km;
-LT 230 kV Indaial – Gaspar 2, CD, C1 e C2, com 2 x 57 km;
-LT 230 kV Itajaí – Itajai 2, CS, C1 e C2, com 2 x 10 km;
-Trecho de LT em 525 kV entre a SE Joinville Sul e a LT Curitiba – Blumenau – C1 – 2 x 39 km;
– Trechos de LT em 525 kV entre a SE Joinville Sul e a LT Curitiba Leste – Blumenau C1, com 2 x 43 km;
-Trechos de LT em 525 kV entre a SE Gaspar 2 e a LT Curitiba – Blumenau C1, com 2 x 23 km;
-Trecho de LT em 525 kV entre a SE Gaspar 2 e a LT Blumenau – Biguaçu C1, com 2 x 7 km;
-Trechos de LT em 230 kV entre a SE Joinville Sul e a LT Blumenau – Joinville C1, com 2 x 5,5 km;
-Trechos de LT em 230 kV entre a SE Joinville Sul e a LT Blumenau – Joinville Norte C1, com 2 x 5,5 km;
-Trechos de LT em 230 kV entre a SE Joinville Sul e a LT Joinville – Joinville Norte C1, com 2 x 13 km;
-Trechos de LT em 230 kV entre a SE Jaraguá do Sul e a LT Blumenau – Joinville Norte C1, com 2 x 38km;
-Trechos de LT em 230 kV entre a SE Jaraguá do Sul e a LT Blumenau – Joinville C1, com 2 x 38 km;
-SE 525/230/138 kV Joinville Sul – 525/230 kV – (9+1Res) x 224 MVA e 230/138 kV – 2 x 225 MVA;
-SE 230/138 KV Jaraguá do Sul – 2 x 225 MVA;
-SE 525/230/138 kV Itajaí 2 – 525/230 kV (6+1Res) x 224 MVA e 230/138 kV – 2 x 225 MVA;
-SE 525/230/138 kV Gaspar 2 – novo pátio 525 kV e transformação 525/230 kV com (6+1 Res.) x 224 MVA;
-SE 230/138 kV Indaial – 2 x 225 MVA;
-Trecho de LT em 138 kV entre a SE Itajaí 2 e a LT Camboriú Morro do Boi – Itajaí com 2 x 2,4 km;
-Trecho de LT em 138 kV entre a SE Itajaí 2 e a LT Itajaí Fazenda – Itajaí com 2 x 2,4 km

LOTE 2
O segundo lote do leilão de transmissão também ficou com a Neoenergia. O lance foi 46,97% menor ante a RAP máxima de R$ 220.651.716,00. O investimento estimado é de R$ 1,3 bilhão.
O empreendimento está localizado no estado do Rio de Janeiro e é formado por
– LT 500 kV Terminal Rio – Lagos, CD, C1 e C2, com 2 x 227 km;
-LT 500 kV Lagos – Campos 2, CD, C1 e C2, com 2 x 101 km;
-SE 500 kV Campos 2;
-SE 500 kV Lagos – novo pátio 500 kV.

LOTE 3
O lote 3 foi arrematado pela Neoenergia que apresentou lance em disputa a viva voz de R$ 69.100.000,00 ante uma RAP teto de R$ 125.418.400,00 estabelecida pela Aneel, deságio de 44,9%. Este lote é formado pela LT 500 kV Campos 2 – Mutum, CD, C1 e C2, com 2 x 239 km. O investimento é estado em R$ 753,6 milhões.

LOTE 4
A Energisa arrematou o lote 4 com um lance de R$ 62.854.451,00, deságio de 45,84% ante a RAP máxima de R$ 116.061.645,00 pelo grupo de projetos cujo aporte é estimado em R$ 699,4 milhões. O lote é formado por:
-LT 230 kV Dianópolis II – Barreiras II, C1, com 255 km;
-LT 230 kV Dianópolis II – Gurupi, C1, com 256 km;
-LT 230 kV Dianópolis II – Palmas 2, C1, com 261 km;
-SE 500/230 kV Gurupi – (3+1 Res) x 150 MVA; SE 230/138 kV Dianópolis II – 2 x 200 MVA.

LOTE 5
A CPFL Geração apresentou um lance de R$ 26.380.000,00 ante o máximo de R$ 61.556.656,00, o que representa um desconto de 57,14%. O investimento previsto é de de R$ 366 milhões nos projetos:
-LT 230 kV Itá – Pinhalzinho 2, CD, C1 e C2, com 2 x 105 km;
-LT 230 kV Itá – Xanxerê, CD, C1 e C2, com 2 x 55 km;
-SE 525/230 kV Itá – novo pátio em 230kV e transformação (6+1R) x 224 MVA

LOTE 6
O consórcio EMTEP (JAAC Materiais e Serviços 80% e EMPTEP Serviços 20%) saiu vencedor na disputa pelo sexto lote do leilão de transmissão. A empresa presentou lance de R$ 11.500.000 ante a RAP de R$ 22.570.882,00, deságio de 49%. Assim, ficou com os seguintes projetos que demandarão aportes de R$ 134,1 milhões em Santa Catarina:
-LT 230 kV Abdon Batista – Videira, CD, C1 e C2, com 2 x 67,7 km;
-LT 230 kV Abdon Batista – Barra Grande, C3, com 26 km.

LOTE 7
O sétimo lote do leilão de transmissão foi conquistado pela Zopone Engenharia ao ofertar um lance de R$ 20.698.545,00, deságio de 53,49% ante a RAP inicial de R$ 44.512.887,00. Os empreendimentos possuem investimentos estimados em R$ 277,8 milhões e estão localizados nos estados do Pará e Amapá:
-LT 230 kV Jurupari – Laranjal do Jari C3, com 105 km;
-SE 230/69 kV Jurupari, 2 x 30 MVA, pátio novo de 69 kV

LOTE 8
O consórcio formado pela I.G Transmissão 90% e ESS Energias 10% apresentou lance de R$ 8.151.300,00, deságio de 46,25% ante a RAP inicial de R$ 15.168.790,00 pela LT 230 KV Itararé II – Capão Bonito – C1 – com 108 km. O investimento é estimado em R$ 89,4 milhões

LOTE 9
O consórcio EMTEP (Jaac 80% e EMTEP 20%) apresentou um lance de R$ 11.500.000,00 ante a RAP máxima de R$ 28.047.620,00 pelo ativo no Amazonas cujo investimento é estimado em R$ 160,7 milhões. O deságio ficou em 58,99% para a empresa ter o direito de construir e operar a LT 230 kV Mauá 3 – Manaus, C1, com 12,9 km (trechos aéreos e subterrâneos)

LOTE 10
O maior lote em termos de extensão de linhas de transmissão no certame foi o mais disputado com 10 lances a viva voz. Este é o primeiro trecho do lote A de 2014 que era da Eletrosul e teve a caducidade da concessão decretada pela Aneel. O Consórcio Chimarrão (Cymi Construções 50% e Brasil Energia Fundo de Investimento 50%) ofereceu um lance de R$ 219.500.000,00 ante a RAP máxima de R$ 380.964.932,00, deságio de 42,38%. A previsão é de que os investimentos nos empreendimentos listados abaixo somem pouco mais de R$ 2,4 bilhões.
O lote é formado por:
-LT 525KV Guaíba 3 – Gravataí, com 127 km;
-LT 525KV Santa Vitória do Palmar – Marmeleiro, C2, com 48 km;
-LT 525KV Povo Novo – Guaíba 3, C2, com 245 km;
-LT 525KV Marmeleiro – Povo Novo, C2, com 152 km;
-LT 525KV Nova Santa Rita – Guaíba 3, C2, com 36 km;
-LT 525 kV Candiota – Guaíba 3, CD, C1 e C2, com 2 x 279 km;
-LT 230kV Guaíba 2 – Guaíba 3, C1, com 19 km;
-SE 525/230kV Guaíba 3 – (6+1Res) x 224 MVA;
-SE 525/230 kV Candiota – (6+1Res) x 224 MVA;
-Trechos de LT em 525 kV entre a SE Guaíba 3 e a LT Povo Novo – Nova Santa Rita, C1, com 1 x 4 km;
-Trechos de LT em 230 kV entre a LT 230kV Presidente Médici – Bagé 2 C1 e a SE Candiota 2, com 2 x 2,0 km.

LOTE 11
A CPFL Geração apresentou um lance de R$ 33.888.000,00, 38,51% menor ante a RAP máxima estabelecida pela Aneel de R$ 55.111.735,00 para os projetos localizados no Rio Grande do Sul que demandarão investimentos de R$ 348,9 milhões. O lote 11 é formado por:
-LT 230kV Osório 3 – Gravataí 3 C1, com 66 km;
-LT 230 kV Porto Alegre 8 – Porto Alegre 1 (Subterrânea), com 3,4 km;
-LT 230 kV Jardim Botânico – Porto Alegre 1 (Subterrânea), com 4 km;
-SE 230 kV Osório3;
-SE 230/69 kV Porto Alegre 1 (Isolada a SF6 – Nova) – 3 x 83 MVA;
-SE 230/138 kV Vila Maria – 2 x 150 MVA;
-Trechos de LT em 230 kV entre a SE Osório 3 e a LT Osório 2 – Lagoa dos Barros, C1, com 2 x 4 km;
-Trechos de LT em 230 kV entre a SE Vila Maria e a LT Passo Fundo – Nova Prata 2, C1 e C2, com 4 x 1 km

LOTE 12
A Taesa apresentou o menor lance pelo 12º. lote em disputa no leilão de transmissão que ocorre neste momento na B3. A proposta vencedora foi de R$ 58.956.000,00, deságio de 38,8%% sobre a RAP máxima de R$ 96.334.188,00. A Aneel projeta aportes de R$ 610,4 milhões. O lote é formado por:
-LT 230kV Livramento 3 – Alegrete 2, C1, com 125 km;
-LT 230kV Livramento 3 – Cerro Chato, C1, com 10 km;
-LT 230kV Livramento 3 – Santa Maria 3, C1, com 247 km;
-LT 230 kV Livramento 3 – Maçambará 3, C1, com 205 km;
-SE 230 kV Maçambará 3;
-SE 230kV Livramento 3, com Compensação Síncrona (-100/+100) Mvar;
-Trechos de LT em 230kV entre a SE Maçambará 3 e as LTs 230kV Maçambará – Santo Ângelo C1/C2 – 2 x 4 km.

LOTE 13
A Sterlite conseguiu seu primeiro lote no leilão de transmissão, o lance foi de R$ 74.721.784,00. O valor representa um desconto de 38,9% sobre a RAP de R$ 122.314.264,00 estabelecida pela Aneel. O investimento é estimado em R$ 776,8 milhões. O lote é formado por:
-LT 525KV Capivari do Sul – Gravataí, C1, com 83 km;
-LT 230kV Capivari do Sul – Viamão 3, C1, com 65 km;
-LT 525KV Guaíba 3 – Capivari do Sul, C1, com 168 km;
-SE 525/230/138 kV Capivari do Sul – 525/230 kV – (6+1) x 224 MVA e 230/138 kV – 2 x 100 MVA

LOTE 14
A Neoenergia apresentou novamente o melhor lance e ficou com os projetos que serão construídos nos estados do RS e SC. O deságio ante a RAP máxima de R$ 201.517.143,00 ficou em 39,99% com lance de R$ 120.925.000,00 Com aportes estimados em R$ 1,2 bilhão, o lote é formado por:
-LT 525 kV Povo Novo – Guaíba 3, C3, com 245,7 km;
-LT 525 kV Capivari do Sul – Siderópolis 2, C1, com 251,5 km;
-LT 230 kV Siderópolis 2 – Forquilhinha, C2, com 27,6 km;
-LT 230 kV Livramento 3 – Santa Maria 3, C2, com 244,5 km;
-SE 525 kV Marmeleiro – Compensação Síncrona (-90/+150 Mvar);
-SE 230 kV Livramento 3 – Compensação Síncrona (-90/+150) Mvar.

LOTE 15
O Consórcio EMTEP ficou com o lote 15, o terceiro projeto do grupo que é formado pela JAAC 80% e EMTEP 20%. Este é o que tem o menor valor de investimento previsto pela Aneel de todos que foram licitados, com R$ 60,9 milhões. O deságio foi de 58% sobre a RAP de R$ 10.365.868,00, com lance de R$ 4.353.000,00. Compõe o lote:
-SE 230/138 kV Caladinho II – 2 x 40 MVA;
-Trechos de LT em 230 kV entre a SE Caladinho II e a LT Coletora Porto Velho – Porto Velho, C2, com 2 x 5,5 km.

LOTE 16
Acabou agora o último leilão de transmissão do ano. Com um lance de R$ 120.122.186,00, deságio de 35,73% sobre a RAP máxima de R$ 186.914.964,00, a Celeo Redes venceu a disputa pelos empreendimentos que compõem o lote 16 na região Norte e demandarão aportes de R$ 1,1 bilhão. São eles:
-LT 230 kV Oriximiná – Juruti, CD, C1 e C2, com 138 km (3,8 km de travessia do Rio Amazonas);
-LT 230 kV Juruti – Parintins, CD, C1 e C2, com 102 km (4,5 km de travessias de canais em Parintins);
-SE 500/230 kV Oriximiná – pátio novo 230 kV e transformação 500/230 kV – (6+1R) x 100 MVA;
-SE 230/138 kV Juruti – 2 x 50 MVA;
-SE 230/138 kV Parintins – 2 x 100 MVA

(fonte: Canal Energia)

Urbanitários em luta: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento.
ÁGUA, ENERGIA E SANEAMENTO NÃO SÃO MERCADORIAS!

Fechar Menu