Recentemente foi divulgado, pela revista científica Lancet Gastroenterol Hepatol que pesquisadores detectaram a presença do novo coronavírus no esgoto. Entretanto, até o momento, não existe relato de transmissão do vírus por água ou esgoto, mas o tema merece a atenção de todos, principalmente dos trabalhadores do setor de saneamento.

Essa preocupação está descrita em documento do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia INCT ETEs Sustentáveis, que enfatiza a necessidade de serem reforçados os cuidados e a imprescindível utilização de equipamentos de proteção individual (EPI).

Diz o documento:
“Os profissionais que atuam na área de esgotamento sanitário, notadamente os diretamente envolvidos com a operação e manutenção das redes coletoras e ETEs, bem como os pesquisadores que têm contato ou manuseiam amostras de esgoto, devem reforçar os cuidados e não abrir mão da utilização de equipamentos de proteção individual (EPI), a fim de evitar a ingestão inadvertida de esgoto, ainda que por meio da inalação de aerossóis, evitando assim a contaminação. Ressalta-se que as medidas proteção e segurança ocupacional, repassadas e adotadas como padrão para esses profissionais e pesquisadores, são eficazes na proteção contra o novo coronavírus e outros patógenos presentes no esgoto. Além disso, como qualquer outra pessoa, esses profissionais e pesquisadores devem adotar e intensificar as medidas de higiene recomendadas, como lavar as mãos com água e sabão ou higienizá-las com álcool em gel, não tocar os olhos, face e boca antes de lavar as mãos”. Leia o documento completo: COVID-19-e-o-Saneamento-no-Brasil-1

Denunciar empresas que não cumprem as normas
“Os profissionais que estão trabalhando diariamente para que todos tenham água tratada em suas torneiras não podem ficar expostos aos riscos de contaminação, por isso, desde o primeiro momento desta pandemia, a FNU defendeu ações de prevenção à propagação do vírus pelas empresas que empregam os urbanitários em todo o país – empresas de energia elétrica, saneamento e gás”, explica Pedro Blois, presidente da FNU. Leia mais aqui.

A Federação vem orientando os trabalhadores a denunciarem aos seus sindicatos a empresa que não cumpre as normas de segurança e não disponibiliza equipamentos de proteção.

Representação ao Ministério Público
Um exemplo de ação, é representação da Associação de Consciência à Prevenção Ocupacional ao Ministério Público do Estado de São Paulo e ao Ministério Público Federal, solicitando ação ministerial imediata no sentido de que seja determinado administrativamente, ou por meio de ação apropriada, que os serviços de saúde e tomadores de decisão das prefeituras dos municípios da região da Baixada Santista, e se possível, de todo o Estado de São Paulo, ofereçam informações na grande mídia (TV, Rádios, Redes Sociais, Jornais) e promovam campanhas de esclarecimentos sobre os riscos da proliferação do Sars-CoV-2 pelo esgoto sanitário, vírus causador da Covid-19. “Este conjunto de informações e ações protetivas urgentes e efetivas, devem alcançar todas as pessoas, sobretudo àquelas em estado de vulnerabilidade social, inclusive os trabalhadores de empresa de saneamento ambiental que manuseiam esgotos sanitários, água bruta não tratada, higienização de banheiros de uso coletivo, de prédios, de serviços e de empresas públicas e privadas.”
Leia aqui a representação na íntegra. 

Live irá debater o coronavírus no esgoto
Nesta quarta-feira (27/5), o ONDAS – Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento – promove a live O coronavírus no esgoto: a pesquisa epidemiológica e os riscos de transmissão. As discussões estarão centradas nas eventuais implicações sobre a saúde humana da ocorrência do novo coronavírus no esgoto das nossas cidades.

A live, agendada para às 17h, terá a participação do Professor Titular da UFMG Carlos Augusto Chernicaro, pesquisador coordenador do INCT ETEs Sustentáveis; do Professor Doutor Léo Heller, pesquisador da Fiocruz e relator da ONU para os direitos humanos à água e ao saneamento; e da engenheira sanitarista Patrícia Borja, Professora Doutora da UFBa.

A transmissão pelas páginas do ONDAS no Facebook e YouTube.

 

Fechar Menu