Os desalentados – aqueles que desistiram de procurar emprego – já estão em todos os estratos da sociedade brasileira. Mas uma análise detalhada dos números mostra que um grupo de pessoas tem sido mais afetado pela crise do mercado de trabalho. Se o perfil desse contingente pudesse ser traçado, ele seria o de uma mulher nordestina de baixa escolaridade.

O perfil do desalentado foi traçado pela consultoria Plano CDE, com base nos últimos dados divulgados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) contínua. No ano passado, a quantidade de pessoas que desistiu de procurar emprego chegou a 4,7 milhões – o equivalente à população da Costa Rica.

Existem várias causas que podem levar um trabalhador para o quadro de desalento. Esse fenômeno pode ocorrer porque a pessoa desiste de procurar emprego por falta de oportunidade ou pelo fato de não se sentir estimulada a entrar no mercado em períodos de crise. Também há fatores não ligados diretamente ao desempenho da atividade econômica: muitas mulheres deixam de buscar trabalho quando não há vagas em creches ou escolas para os filhos.

Não à toa, do total de desalentados do país, 54,31% são do sexo feminino, enquanto os homens respondem por 45,69%. “Na maioria dos casos, a mulher acaba ficando presa às atividades domésticas”, diz o diretor-executivo da consultoria Plano CDE, Maurício Prado.

Há seis anos morando em São Paulo, Maria do Carmo, de 29 anos, tem quatro filhos – três estão na escola, mas a menina de cinco anos ainda não. Natural de Sergipe, ela deve tentar uma vaga na rede pública em abril. Até lá, desistiu de buscar emprego para cuidar da filha. “Só consigo sobreviver porque recebo Bolsa Família e pela ajuda de outras pessoas. Dá para fazer pouca coisa (com o dinheiro), mas já é alguma coisa”, diz Maria, moradora de Paraisópolis, zona sul da capital paulista.

Sem perspectiva no curto prazo, Maria diz que espera voltar a limpar casas de famílias. Foi esse o primeiro emprego dela em São Paulo. “Quando trabalhava em casa de famílias, conseguia ganhar até um salário mínimo.”

No recorte por anos de estudo, o desalento está concentrado entre aqueles os trabalhadores com ensino fundamental incompleto. Esse grupo de brasileiros é responsável por 40,6% do total de desalentados no país. As menores taxas são observadas na população que, pelo menos, chegou ao ensino superior. “O desalento alto é problemático em vários sentidos”, afirma o diretor da FGV Social, Marcelo Neri, responsável pelo estudo. “A pobreza, por exemplo, é duplamente afetada pelo quadro desalento”, diz.

Fonte: De Luiz Guilherme Gerbelli e Pedro Lins do G1 São Paulo e Recife

Deixe uma resposta

Fechar Menu