Uma luta conjunta entre os trabalhadores do campo e da cidade por um projeto energético popular

Neste último fim de semana (dias 23 e 24/6), os urbanitários participaram de mais uma etapa da Formação da Plataforma Operaria e Camponesa da Água e Energia no estado do Pará.

Foi a segunda etapa que acontece em um momento determinante da conjuntura, quando precisamos acumular forças para dar um salto de qualidade na luta popular, contra as privatizações da Petrobras e Eletrobras, após a greve dos caminhoneiros e enquanto o povo volta a cozinhar a lenha sob a luz de lamparina por conta dos altos preços do gás de cozinha e da energia elétrica.

Realizado no Sindicato dos Bancários do Pará, o encontro contou a participação e apoio da Federação Nacional dos Urbanitários – FNU, que esteve representada por seu presidente Pedro Blois, e também com a presença de vários membros do Sindicato dos Urbanitários do Pará – Stiupa.

Pedro Blois destacou a importância da luta conjunta entre os trabalhadores do campo e da cidade por um projeto energético popular. Ainda segundo ele, estão sendo estimuladas e realizadas ações políticas contra as privatizações, as parcerias público-privadas, a perda dos direitos dos trabalhadores, entre muitos outros. “Estamos na luta para que água, saneamento e energia sejam direitos de todos e não mercadorias para que o setor privado enriqueça ainda mais”, disse Blois.

Histórico

A Plataforma Operária e Camponesa para a Energia foi criada em 2010, a partir da articulação entre trabalhadores urbanitários (eletricitários e agentes de saneamento), petroleiros, engenheiros, atingidos por barragens e agricultores, com a proposta de criar um espaço de diálogo e articulação das lutas para se avançar em um projeto popular para a energia no Brasil.

Fechar Menu