A entrevista desta semana é com a empregada Cláudia Santos Moreira. Natural de Vitória, desde sua admissão na Cesan, em julho de 2010, trabalha em Castelo, no sul do Estado, como Técnica de Cadastro. Neste bate-papo ela nos conta como foi sair de sua cidade para ir trabalhar tão longe e quais os desafios da sua função, após a reestruturação da empresa. Falou, também, da importância de ser sindicalizada, bem como sobre sua experiência na comissão de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho.

 

Sindaema: Como foi aceitar trabalhar em Castelo? Você já conhecia a cidade?
Cláudia: Foi bem excitante e estressante ao mesmo tempo aceitar a vaga aqui em Castelo. Não conhecia, nunca nem tinha ouvido falar. A princípio, eu e meu marido havíamos decidido por Santa Teresa, pois era mais perto de Vitória pois a vaga de Guarapari já tinha sido ocupada. Num rompante eu decidi por Castelo e foi a melhor decisão da minha vida (risos).

Sindaema: É o seu primeiro emprego?
Cláudia: Não é o meu primeiro emprego. Trabalhei antes de carteira assinada e, quando fui chamada, estava atuando como autônoma na área de geoprocessamento, onde também fui estagiária. Antes disso, trabalhei no comércio, com carteira assinada.

Sindaema: Qual sua formação acadêmica?
Claúdia: Fazia graduação em Geografia quando fui chamada, então tive que trancar a matrícula na UFES. Sou técnica em Geomática formada pelo IFES de Vitória. Engraçado que, quando fui chamada na Cesan, eu já estava pra partir para uma vaga na Marinha. Foi uma decisão difícil, mas preferi continuar no Espírito Santo. 

 

Sindaema: E a sua relação com os colegas de trabalho?

Cláudia: Digo que vir pra Castelo foi a melhor decisão da minha vida porque sinto prazer em trabalhar aqui. Meus colegas são ótimos, isso faz toda a diferença. É como se fosse uma família!
 

Sindaema: Como foi para você o impacto ma reestruturação da empresa em que você mudou de divisão e permaneceu trabalhando no interior?
Cláudia: Eu mudar de divisão teve seus prós e contras. Fez mais sentido na questão da minha atividade, onde anteriormente atuava sem muita diretriz e padrão, então ter um plano de trabalho foi muito bom. Por outro lado, muito da minha atuação de campo que eu adorava foi perdida. 

Após retornar da primeira licença maternidade fiquei 6 meses trabalhando em Carapina. Foi um período muito desgastante pra mim. Sair de Vitória para ir à Serra com um bebê novinho era terrível. Chegava a ficar mais de 12 horas fora de casa, pois ia e voltava de ônibus. Quando tive que voltar para Castelo foi um alívio.

 

 

Sindaema: No desempenho das suas atividades, quais tem sido seus maiores desafios ?

Cláudia: O maior desafio da minha atividade hoje é a questão do PCR. Muito do que fazíamos antes da reestruturação foi “podado” após entrarmos com processo interno para reenquadramento de técnico I para II. O RH entendeu que não poderíamos continuar exercendo atividades que não estavam em nosso descritivo da função. Como eu disse, atuação em campo tem sido quase nenhuma. Então agora o desafio é fazer o cadastro do interior avançar tanto quanto o da GV e chegar num nível de confiabilidade minimamente aceitável.
 

Sindaema: Você no ano de 2012 fez parte da comissão de negociação? Como foi a experiência?
Claúdia: Participar da comissão foi maravilhoso. Pude compreender o processo do ACT e conhecer mais de perto a atuação do sindicato, além de ter conhecido pessoas maravilhosas.

 

Sindaema:O que te motivou à filiação?

Cláudia: Me filiei logo que entrei na Cesan porque acredito no sindicato como nossa ferramenta pra buscar melhorias. Um sindicato forte propicia muitos benefícios a nós trabalhadores.

 

Sindaema: O que você espera do sindicato?

Cláudia: O desafio do sindicato é grande, mas espero que continue atuante, que possa melhorar cada vez mais nossas condições de trabalho além de manter nossos benefícios que foram tão duramente conquistados e que fazem toda a diferença pra nós.

 

 

Sindaema: Como foi participar da assembleia de levantamento de pauta para o acordo coletivo?

Cláudia: Nao participei dessa última, mas acho importante participar e endossar a decisão dos demais colegas. Mesmo quando não concordo fico feliz de poder expressar minha opinião e ser ouvida.

 

 

Sindaema: O que você gostaria de falar aos seus colegas de trabalho da O-DSU/ O-DDO?

Cláudia: Tenho muito prazer em vir trabalhar todos os dias em grande parte graças a eles. Gosto muito de todos e sinto que somos uma grande família.

Sindaema: E, por fim, quais são seus objetivos para os próximos 10 anos?

Cláudia: Só espero continuar contribuindo e crescendo junto à empresa que amo de paixão, que me proporcionou tudo o que tenho hoje.

Fonte: Ascom Sindaema-ES

Fechar Menu