Dia 17 de maio acontecerá nova reunião para discutir o pagamento da PLR 2017

 

Aconteceu na manhã da quinta-feira, dia 03 de maio no Rio de Janeiro, reunião de discussão sobre o pagamento da PLR 2017  entre o CNE e a direção do Sistema Eletrobras. Na oportunidade o Relações Sindicais da Holding fez uma apresentação dos resultados alcançados pelas empresas, mas não apresentou o Contrato de Metas e Desempenho Empresarial (CMDE). Este fato que gerou muitas dúvidas com relação à veracidade dos números colocados.  O CNE fez a solicitação a Holding que fosse entregue o CMDE para que as entidades sindicais, através dos seus representantes e com a assessoria do DIEESE possam fazer uma análise mais criteriosa.

Para construir uma proposta mais justa de PLR através da avaliação dos dados do CMDE e das metas colocadas pela Holding será realizada, no dia 09 de maio, em Brasília uma nova reunião dos representantes dos trabalhadores na comissão de PLR.  O objetivo é ter elementos concretos para apresentar na reunião do dia 17 de maio, em Brasília, com a direção da Eletrobras, quando será discutido novamente esse tema tão importante para os trabalhadores.

O CNE tem colocado em todas as reuniões que o pagamento deve ser feito aos trabalhadores de todas as empresas, seja na geração, transmissão ou distribuição de energia. Pois, são estes trabalhadores que no dia a dia executam suas tarefas com afinco para fazer com que a Eletrobras seja uma empresa forte, capaz de enfrentar todos os desafios, inclusive o fogo amigo do próprio presidente, que trabalha pela sua privatização. Portanto, é preciso reconhecer todos os esforços dos trabalhadores.

A PLR é uma conquista histórica dos trabalhadores do Sistema Eletrobras, alcançada com anos de luta e empenho. Portanto, não há possibilidade de retrocessos e mudanças oportunistas. Esse direito do trabalhador deve ser respeitado e disso o CNE não abrirá mão.

Vergonha: Presidente Pinto quer aumento salarial de 40%

Enquanto os trabalhadores do Sistema Eletrobras estão na luta em defesa dos seus empregos e por um acordo coletivo justo, que reconheça o trabalho desempenhando por cada um, o presidente Pinto, aquele que paga para falarem mal da Eletrobras na mídia, quer um aumento de salário exorbitante. Segundo o site 247, Pinto quer sair dos atuais R$ 52.355, 71  para R$76.610,66, ou seja, um reajuste superior a 40%.  O portal afirma ainda que o documento com essa solicitação já foi encaminhado ao SEST ( Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais).

O CNE classifica como uma aberração o pedido encaminhado ao SEST, por entender que a gestão do presidente da Eletrobras é temerária e entreguista, voltada unicamente para privatização da maior empresa de energia da América Latina.

Fechar Menu