Uma manifestação de pesar pelas vítimas e de apoio à população de Brumadinho pelo grave crime ambiental ocorrido no município abriu a primeira reunião da Diretoria Plena do SINDÁGUA em 2019, nesta terça-feira , 29 de janeiro. O rompimento da barragem da Vale que causou inúmeras mortes na região do Córrego do Feijão foi marcado com um minuto de silêncio e a lembrança da luta desenvolvida com a participação do Sindágua contra os impactos e ameaças das barragens para o meio ambiente e segurança das comunidades atingidas. A direção do Sindicato fez, ainda uma homenagem ao ex-diretor do Sindicato, Sumário Tavares, que faleceu agora em janeiro.

A direção da entidade participou também de uma conferência do cientista político Rudá Ricci sobre conjuntura nacional, com base nos 28 primeiros dias dos novos governos federal e mineiro. Em sua avaliação, tanto Romeu Zema quanto Jair Bolsonaro perderam parte do apoio que tinham com o início pouco efetivo de suas gestões. Abordou as perspectivas dos sindicatos de trabalhadores diante das pressões do novo governo federal para quebrar o movimento sindical e cobrou resistência dos mineiros, que sempre estiverem na vanguarda das lutas em nosso País.

À tarde foram discutidos vários outros assuntos de interesse da categoria, além da apresentação pelo presidente da Fundação, Edevaldo Fernandes da Silva, do novo plano da Libertas (Vocêprev), que permitirá fazer um novo plano previdenciário para familiares.

 

Fonte: Sindágua-MG

Fechar Menu