30/05/2016

CESAN realiza prática antisindical

por: Sindaema

O SINDAEMA – ES vêm por meio deste denunciar a ordem determinada pela Companhia Espírito Santense de Saneamento – CESAN –, empresa esta responsável pelo saneamento em 52 municípios do estado, e pelo Governo do Espírito Santo que proibiram os trabalhadores da Companhia, que estão em greve, de terem acesso às suas dependências para beber água e usar o banheiro, bem como determinou o uso da força caso algum trabalhador tentasse acessar suas dependências com esses intuitos.

Desta forma, vimos veementemente condenar a atitude dessa empresa e do governo do Estado de negar aos seus trabalhadores o acesso ao saneamento básico. Justamente a CESAN e o Governo do Estado, responsáveis por disponibilizar esses serviços a todos os cidadãos e cidadãs tem a atitude condenável e deplorável de negar esse serviço humano fundamental aos seus trabalhadores em nítida represália ao exercício regular e legal de greve. Tal medida fere frontalmente a Constituição Federal, à Lei de Greve, a Lei do Saneamento, uma série de legislações extravagantes, além de tratados internacionais que o Brasil é signatário, inclusive o reconhecimento da ONU, cujo o qual o Brasil votou favorável, de que o saneamento é um direito humano fundamental e que por sua vez deve ser garantido a todo o cidadão e cidadã do mundo.

Na oportunidade solicitamos desse órgão/entidade que faça coro à condenação dessa postura por parte da CESAN e do Governo do Estado do Espírito Santo e que se possível tome as medidas júri-políticas necessárias para a punição dos agentes públicos que determinaram tal descalabro.

Saneamento é vida. Negar o direito humano fundamental de acesso ao saneamento é crime. Por favor, envie a este emailcomunica@cesan.com.br a sua indignação por esta represália.

Respeitosamente,

Fábio Giori Smarçaro

Presidente do SINDAEMA-ES

 

20/05/2016

DESO continua com sua imagem desgastada por causa da Camel

por: Sindisan

O SINDISAN, por mais que tente, não consegue entender o porquê de uma empresa tipo a Camel ser sempre a preferida pela DESO para lhe representar perante a população nos devidos serviços que, por ter natureza fim, deveriam ser prestados diretamente pelos próprios funcionários da Companhia.

A nossa Diretoria, como todos sabem, viaja regularmente para todos os municípios do estado, com exceção de Carmopólis. Em todos eles, sem exceção, nunca ouvimos algo de louvável sobre os serviços prestados por esta empresa privada. E para constranger de fato, o que observamos é que funcionários da DESO recém-contratados e sem contar ao menos com o devido fardamento, estão praticamente de braços cruzados durante todo o expediente, sendo chamado pela população de preguiçosos e incompetentes.

Mas boa parte deste problema se deve exclusivamente a um contrato altamente draconiano e prejudicial celebrado pela boníssima DESO com a insaciável Camel, onde neste contrato se dá praticamente todos os serviços que a Companhia deveria assumir, como ligações, que em alguns casos se arrastam há mais de sete meses sem serem efetuadas; religações, que demoram mais de uma semana; além de ligações feitas a toque de caixa pelo sistema de produtividade, resultando em um serviço de péssima qualidade, cabendo ao pessoal da DESO corrigi-los.

E tudo isso, como resultando, traz um prejuízo incalculável para a DESO em sua já arranhadíssima imagem perante a população de nosso estado. Quando um cidadão ou cidadã procura os postos de atendimento da Companhia, jamais imaginará que existe algo formal e exclusivo entre a DESO e essa famigerada Gata.

O cliente quer o serviço executado dentro do prazo legal e que seja feito com qualidade. Quando o cliente procura a Justiça, não será a Camel a ser acionada, mas sim a DESO, que parece que já se acostumou a aparecer de forma negativa nos jornais, rádios e televisão do nosso estado, insistindo em passar a mão na cabeça dos proprietários desta empreiteira, que pelo que sabemos, só lhes traz dissabores e enxurradas de ações judicias.

Até quando isto vai continuar?

 

13/05/2016

Trabalhadores realizam ato contra demissões

por: Sindieletro-MG

Ato em frente à portaria da Cemig em Ponte Nova, na segunda-feira (09), foi marcado pela solidariedade e a indignação dos eletricitários contra o processo policial conduzido pelo araponga AmilcarFelippo, subordinado ao gerente Luiz Cláudio Cenízio, da Gerência de Segurança Patrimonial (GE/SP) e pelo diretor de Gestão empresarial, Márcio Serrano, que culminou na demissão por justa causa dos trabalhadores, Cláudio de Oliveira Lopes, e Fábio Rogério Souza, este, diretor do Sindieletro.

Durante o ato, a diretoria do Sindieletro questionou a legitimidade do processo de investigação da empresa, que exclui a participação do Sindicato, sem dar a garantia de dignidade, a ampla defesa e o contraditório. Na prática, quando o Sindicato e os trabalhadores têm conhecimento das investigações, a sindicância está praticamente concluída.
Outra irregularidade apontada pelo Sindieletro foi a demora na apuração. Embora o Manual de Organização da Cemig estabeleça em seu item 3.11 que a sindicância deve ser concluída em 30 dias, os trabalhadores ficaram afastados do serviço por sete meses.

Para o coordenador Geral do Sindieletro, Jefferson Leandro, o ato em Ponte Nova não foi somente uma prerrogativa do Sindieletro, nem por se tratar de demissão de um dirigente sindical, “Fomos convictos da possibilidade de reverter as punições devido aos equívocos apontados pelo Sindieletro no processo de sindicância”, disse. Jefferson ressalta que o espírito de solidariedade é a maior virtude da classe trabalhadora. “E isso nos impulsiona a lutar por justiça e pela valorização dos trabalhadores, que por sua competência técnica, são imprescindíveis para salvar a Cemig do sucateamento”, conclui.

Para o coordenador do Sindieletro na Regional Mantiqueira, Edvaldo dos Santos, a categoria está desapontada com a decisão da empresa, que foi baseada em fatos do cotidiano dos trabalhadores e fazem parte de suas rotinas de trabalho. Para ele, os motivos apontados pela Cemig não justificam a punição imposta. “Se existem problemas, estão relacionados ao processo de trabalho, e não à conduta dos eletricitários”, questiona.

O Sindieletro repudia a forma como o processo foi conduzido e questiona: por que denúncias de desvios de materiais contra as empreiteiras não resultam em sindicâncias e punições?

 

13/05/2016

Corsan: Dia 12 de maio foi realizada a reunião Intersindical para tratar do Acordo Coletivo de Trabalho

por: Sindiágua-RS

O encontro, organizado pela direção da Corsan, teve por objetivo expor como se dará a negociação da Campanha Salarial 2016/2017.Na oportunidade, o diretor Administrativo da Companhia relatou que todas as negociações devem primeiro passar pelo crivo do Grupo de Assessoramento Estadual para Política de Pessoal (GAE),do Governo do Estado, para que então Corsan e sindicatos possam dar andamento à negociação.

Durante a reunião, uma novidade: a presença do Sindicato Patronal (FIERGS). Fato este que para o Sindicato é ilegítimo, já que a negociação envolve o sindicato dos trabalhadores e a direção da Companhia. Para o SINDIÁGUA, a presença da FIERGS na mesa de negociação é injustificável.

No encontro, o Sindicato salientou o bom histórico da relação de entre Sindicato e Companhia, tanto nas questões salariais quanto na defesa e manutenção da Corsan pública, se reservando assim ao direito de não ouvir o representante do FIERGS que teve seu espaço na reunião, sendo assim, o SINDIÁGUA se retirou mais cedo do encontro por entender que a participação da FIERGS não é benvinda numa negociação intracorpore.

O Sindicato reiterou a parceria pelo fortalecimento e defesa da Corsan pública e colocou-se à disposição da Companhia para dar um andamento mais célere e respeitoso nas negociações referente ao ACT 2016-2017.

 

10/05/2016

ACT 2016/17 E PLR 2015: PARALISAÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS

por: AEEL

Os trabalhadores do Sistema Eletrobras compareceram com disposição ao ato-assembleia que paralisou os trabalhos na empresa hoje, dia 10, pela manhã, conforme deliberação do Coletivo Nacional dos Eletricitários – CNE. Ficou claro que não aceitam o descaso com o qual vêm sendo tratados pela direção da empresa e demonstraram insatisfação com o comportamento da direção da empresa na primeira rodada de negociações para o ACT 2016/2017 e PLR 2015, em Brasília, semana passada, quando sequer apresentou a contraproposta ao ACT.

Os trabalhadores do sistema Eletrobrás esperam que a direção da holding defina de uma vez por todas o pagamento da Participação no Lucros e Resultados, lembrando que, principalmente no quesito Resultados, os trabalhadores cumpriram com sua metas.

Segundo os informes dos demais sindicatos que compõe o CNE o movimento de paralisação também foi forte nas outras empresas do Sistema, a luta uniu os trabalhadores em defesa de um ACT digno e uma PLR Digna!

 

03/05/2016

Paulo de Tarso é o novo Coordenador Geral do Sinergia-BA

por: Sinergia-BA

No último dia 28, o novo coordenador geral do Sinergia foi eleito pela diretoria executiva da entidade. Paulo de Tarso Guedes de Brito Costa, que atualmente exerce o cargo de suplência da direção, substituirá o atual coordenador Regino Marques. Sua posse será no dia 11/05 para um mandato de 1 ano.

A decisão foi consequência de uma profunda avaliação conjuntural, que aponta muitas dificuldades e resistências ao movimento sindical com as mudanças e instabilidades no governo federal. O nosso novo coordenador exerce atualmente o cargo de Presidente da Confederação Nacional dos Urbanitários – CNU e acumulará as funções atendendo um apelo do coletivo diretor do Sinergia. “Nunca fui de jogar para a torcida. Jogo para o time! Se o sindicato necessita do meu trabalho para coordená-lo tenho mais é que colaborar com a nossa entidade”, destacou o novo coordenador.

O grande desafio para Paulo de Tarso será de unificação da diretoria, com o objetivo de fortalecer o Sinergia. Ainda no seu discurso, salientou a necessidade de uma campanha emergencial e intensiva de novas filiações de associados para suprir as aposentadorias das grandes empresas. Para isso, teremos que usar uma linguagem que convença os novos empregados da importância do sindicato para manutenção das conquistas e resistência as investidas patronais. “Temos que atuar de forma mais eficiente na comunicação e em nossa assistência jurídica”, disse.

 

02/05/2016

Reunião na Corsan debate PPRL e Campanha Salarial

por: Sindiágua-RS

A direção do SINDIÁGUA participou na tarde desta terça- feira (26), de uma reunião na Sede da Corsan. Presentes o secretário de Saneamento, Gerson Burmann, o presidente da Corsan e o diretor Administrativo da Companhia, e o superintendente Jurídico da Corsan. Diversos assuntos fizeram parte da pauta.

Sobre o PPLR, conversamos com o presidente Flávio Presser e ele não confirma rumores de que não seria pago, ou mesmo parcelado. Disse ele que a Corsan está fazendo todos os esforços para que o pagamento seja efetuado na data prevista. Cabendo a este Sindicato aguardar e, caso não aconteça o pagamento, tomar as medidas cabíveis quanto ao descumprimento do Acordo Coletivo.
Concursados
Como o último concurso está perto de expirar, a ideia da Corsan, segundo seu diretor Administrativo, é chamar mais 395 funcionários.

Santa Maria
Sobre a negociação com a Prefeitura, segue valendo aquilo que estamos noticiando há vários dias. Mesmo que, a cada dia a imprensa local esteja publicando matérias onde não há o contraditório, pois o repórter não ouve alguém da Corsan, a negociação está ocorrendo.

A proposta inicial da Companhia é um Contrato de Programa normal, de 20 anos, com um prazo de revisão em até cinco anos. Todos os Contratos de Programa assinados pela Corsan possuem um prazo para revisão. Santa Maria não seria diferente.

Acordo Coletivo
A direção da Corsan afirma estar esperando uma definição de diretrizes por parte do governo do Estado para dar início a negociação. O presidente da Corsan espera que seja uma negociação rápida. Nós também. E isto é bem fácil, o nosso rol de reivindicações já se encontra com a Corsan, e a rapidez passa por tudo aquilo que está escrito no documento tirado em Assembleia Geral.

Ainda, sobre o ACT, a direção da Corsan mostra-se resistente quanto a prorrogação do Acordo atual. Cobramos a Corsan quanto a questão do PCCES, e o presidente foi claro, não sabia dos estudos e o relatório final feitos na readequação do plano de 2001, que envolveu toda a categoria e todos os sindicatos que atuam na Corsan. E isso que esse trabalho foi amplamente divulgado e teve a participação de muitos que hoje participam da gestão.

 

02/05/2016

Servidores Do Saerb Conquistam Reajuste De 500 Reais Em Benefícios

por: Sindicato dos Urbanitários do Acre

Após a espera de 27 meses por reajustes salariais e de outros benefícios como o auxílio alimentação e auxílio creche e escola os representantes desses Trabalhadores foram recebidos pela comissão de diretoria para negociar.

A alegação da crise econômica que assola o país foi o principal argumento para que algumas das reivindicações trabalhistas fossem adiadas para o ano que vem.

“nós soubemos esperar e não fizemos pressão durante esses 27 meses onde as nossas causas, as nossas condições de trabalho foram esquecidas pelos patrões. Agora esperamos que pelo menos o ticket alimentação seja resolvido este ano” argumentou Mauricélio França, diretor do Sindicato dos Urbanitários.

Os gestores do Depasa e Saerb propuseram um aumento de 50 Reais no ticket alimentação e 2% de perda inflacionária. E os trabalhadores se reuniram na segunda-feira , dia 04 de abril para deliberar e apresentar uma contra proposta.

“nós queremos chegar pelo menos ao valor de 500 reais no reajuste do ticket alimentação. Não estamos falando de nenhuma fortuna que vá quebrar as empresas. Estamos pedindo um reajuste que equivale no total à 21 mil reais” , aponta Mauricélio.

Ao fim dessa etapa das negociações os trabalhadores conquistaram aos 500 reais e o retroativo dos que tiraram licença prêmio do ano passado, à partir de 07 de abril de 2015.

França parabeniza os trabalhadores e lembra das lutas e batalhas que ainda precisam ser vencidas . “ Parabéns a todos, chegamos ao valor acordado em assembleia para o ticket alimentação. Unidos somos fortes. Ainda, temos muitas batalhas pela frente. Que Deus abençoe todos. Sindicato dos Urbanitários e servidores juntos até a vitória” ,pontua o diretor.

 

02/05/2016

Sindae-BA: 30 anos de lutas

por: FNU

A Federação Nacional dos Urbanitários e a Confederação Nacional dos Urbanitários parabenizam a direção do SINDA-BA  pela passagem dos 30 anos comemorado no dia 29 de abril.  Neste momento de grande turbulência política no país, o SINDAE-BA representa  uma referência, uma trincheira de lutas dos trabalhadores do Estado da Bahia, sempre na vanguarda dos embates contra a privatização do saneamento e da defesa da democracia plena, com justiça social e distribuição de renda.

 

Fechar Menu