25/04/2017

Trabalhadores da Cepisa dizem sim! E farão greve neste 28 de abril!!!

por: Sintepi

Os ataques sistemáticos aos direitos da classe trabalhadora, pelo governo ilegítimo de Temer, obriga-nos a uma reação nunca vista nas últimas décadas. Grandes centrais sindicais como CUT, CTB, UGT, etc, movimentos sociais, populares e outras instituições da sociedade civil organizada decidiram parar o país como forma de pressionar o governo golpista. As reformas da previdência e trabalhista e o projeto de terceirização, este último já aprovado, representam o fim da nossa CLT, além de um grande retrocesso democrático e a volta da escravidão no Brasil.

Nós, os urbanitários do Piauí (Chesf, Cepisa, Emgerpi/Cohab e Agespisa), estaremos unidos, fazendo parte dessa grande luta em defesa de direitos conquistados ao longo da história da classe trabalhadora brasileira e em defesa das nossas empresas públicas, dizendo não à privatização da nossa Agespisa e do setor elétrico (Eletrobras Piauí e Chesf), que vêm sendo alvo de constantes ataques de privatistas que querem tomar nossas empresas.

Estaremos concentrados em frente às nossas empresas, de onde partiremos, às 9h, para Praça Rio Branco, unindo-nos às demais categorias (comerciários, bancários, professores, construção civil, motoristas, municipais, Correios, CUT, servidores públicos federais, domésticas, vigilantes, mototaxistas, etc), onde faremos a maior manifestação que o Estado do Piauí já viu.

Todos juntos na grande GREVE GERAL do dia 28 de abril contra as reformas da previdência e trabalhista e contra as privatizações. Resistência, luta e vitória!

 

25/04/2017

Ato de protesto reúne milhares em Ouro Preto, e SINDÁGUA é homenageado

por: Sindágua-MG

O SINDÁGUA teve participação ativa e foi um dos homenageados no ato de protesto contra as reformas da Previdência e trabalhista e a terceirização realizado em Ouro Preto, no Dia de Tiradentes (21 de abril), que reuniu mais 5 mil pessoas na Praça da Rodoviária. Foi mais um ato do calendário de lutas contra os golpes do governo ilegítimo de Michel Temer aos direitos da classe trabalhadora e do povo brasileiro.

A manifestação em Ouro Preto, organizada pela Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG) e movimentos sociais, populares e estudantis, ocorreu no mesmo momento, mas em local bem distante de onde foi realizada a cerimônia de entrega da Medalha da Inconfidência, promovida pelo governo estadual. Grades e forte aparato policial impediram o acesso dos manifestantes à área onde era realizado o evento governista.

Enquanto na Praça Tiradentes de Ouro Preto acontecia a entrega da Medalha da Inconfidência pelo governo do Estado, na Praça da Rodoviária (na entrada da cidade histórica), durante o ato de protesto, a CUT/MG e os movimentos sociais e populares faziam a entrega da Medalha Quem Luta Educa a pessoas comuns, lideranças sindicais e sociais, “lutadores e lutadoras do povo” que se destacam pela dedicação às causas coletivas e sociais. O SINDÁGUA foi uma das entidades homenageadas. A medalha foi entregue ao presidente do Sindicato, José Maria dos Santos.

“Esta medalha não é só do presidente do SINDÁGUA, mas de toda a diretoria do Sindicato e dos trabalhadores e trabalhadoras do saneamento, na luta pela universalização dos serviços essenciais à saúde da população”, ressaltou Zé Maria. “Receber esta medalha, que simboliza a luta histórica dos trabalhadores e trabalhadoras da educação em Minas Gerais, é uma grande honra e fortalece a nossa luta constante em defesa da classe trabalhadora, ainda mais agora que o governo golpista de Michel Temer quer acabar com a aposentadoria e os direitos trabalhistas, rasgando a CLT, para atender os interesses danosos do capital e do lucro a qualquer custo.”

Além do SINDÁGUA, também receberam a Medalha Quem Luta Educa representantes da Federação Única dos Petroleiros; do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG); Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual de Minas Gerais (Sindifisco/MG); Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores na Indústria Energética de Minas Gerais (Sindieletro/MG); Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Marcha Mundial de Mulheres, Mídia Ninja e Jornal Brasil de Fato.

Entre as pessoas homenageadas estão D. Maria Gomes de Oliveira (80 anos), do Acampamento Esperança, no Vale do Rio Doce, representando os aposentados e as aposentadas; a menina Ana Beli Sales, de apenas 3 anos, da Ocupação da Fazenda do empresário Eike Batista, em Itatiaiuçu, representando as crianças; o jovem índio Giovani Krenack; o eletricitário Milton Ribeiro Marcelino, que perdeu as pernas e braços durante um choque elétrico de grande voltagem enquanto trabalhava pela Contemporânea, empreiteira da Cemig; Makota Celinha, coordenadora do Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-brasileira (Cenarab) e integrante da Coordenação Nacional de Entidades Negras; Graça Costa, secretária Nacional de Relações de Trabalho da CUT Nacional; e Regina Cruz, vice-presidente da CUT Paraná.

O ato público contou ainda com participação do cantador, violeiro e compositor Pereira da Viola, que abriu o evento dedilhando o Hino Nacional em sua viola e animou os manifestantes até o final das atividades.

 

21/04/2017

Enquete: 95,58% dizem ser contra a privatização da DESO

por: George W. Silva | Ascom/Sindisan

Em enquetes realizadas entre os dias 20 e 27 de março deste ano pela CUT/SE e pelo SINTESE, em Aracaju, Aquidabã, Japaratuba, Capela, Nossa Senhora do Socorro, Itabaiana, Estância e Japoatã, para saber, entre outra questão, a opinião da população sobre um possível privatização da Companhia de Saneamento de Sergipe (DESO), 95,58% das 13.265 pessoas que participaram disseram ser contrários à privatização ao responder “Você é a favor que os governos Jackson e Temer privatizem a água?”.

Ou seja, diferentemente do que os privatistas de plantão andam pregando por aí, a maioria da população não é favorável à entrega da DESO à iniciativa privada.

O resultado da enquete foi divulgado nesta quinta-feira, 20, em coletiva à imprensa, no auditório do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, pela direção do SINTESE. Confira os números finais:

Não – 12.679 (95,58%)
Sim – 532 (4,01%)
Nulo – 43 (0,32%)
Branco – 11 (0,08%)
———————–
Total – 13.265 (100%)

A enquete realizou outra pergunta

Na enquete realizada pela Central Única dos Trabalhadores e pelo SINTESE foi perguntado, também, “O que o povo deve fazer com deputados e senadores que aprovem a reforma da previdência e trabalhista?”. Esta foi a pregunta feita à população durante a enquete sobre a reforma da previdência e trazia as seguintes opções de resposta: Não reeleger nunca mais / Tratar como traidor (a) / Continuar votando cegamente. O resultado: para 95,68% dos que votaram na enquete, os deputados federais e senadores que votarem a favor das reformas da previdência e trabalhista não devem ser reeleitos.

A enquete surgiu de uma preocupação do povo sergipano colocada aos dirigentes sindicais durante os atos promovidos contra as reformas da Previdência e Trabalhista. As pessoas vinham perguntar o que podiam fazer para se mostrarem contra estas reformas, que fazem parte de um pacote de medidas que desmontam o Estado brasileiro e retiram direitos da classe trabalhadora, conquistados na década de 40 do século passado.

“A população sergipana está compreendendo que as reformas da Previdência, Trabalhista, a terceirização sem limites e, no caso de Sergipe, a privatização da DESO são nocivas ao povo e mandam um recado aos parlamentares sergipanos no Congresso Nacional: se votarem a favor, nunca mais serão reeleitos”, aponta Rubens Marques, presidente da CUT/SE.

 

13/04/2017

TCE vai julgar licitação da Agespisa dia 20

por: Sintepi

O julgamento do processo que analisa a legalidade da licitação da subconcessão dos serviços  de abastecimento de água e de captação e tratamento de esgotos de Teresina  no Tribunal de Contas dos Estado – TCE será retomado na quinta-feira de 20 de abril. A informação é do conselheiro Olavo Rebelo, presidente do TCE. “Como na quinta-feira  13 é ponto facultativo no Estado, o julgamento será concluído na sessão do do 20 de abril”.

Olavo Rebelo explicou que a sessão de julgamento  será continuada com o voto do conselheiro Luciano Nunes , que havia pedido vistas no processo. O julgamento legalidade a licitação foi suspenso por um liminar do Tribunal de Justiça .

Para Olavo Rebelo a decisão do desembargador, devolve a harmonia entre o Tribunal de Contas e o Tribunal de Justiça.  Na análise do presidente, a questão está pacificada, já que na nova decisão do desembargador, ele reconheceu a competência constitucional  do TCE em julgar  atos administrativos, fiscalizar e analisar a aplicação dos recursos públicos.

Entenda co caso

No início da tarde desta terça feira  (11),o  desembargador do Tribunal de Justiça do Piauí, Sebastião Ribeiro Martins, revogou sua decisão sobre a suspensão do processo e deu sinal verde para que o TCE  continue com o julgamento da licitação da Agespisa.

No dia 09 de março  TCE estava julgando a denúncia sobre a subconcessão da Agespisa quando uma liminar proibiu a análise do processo.
O desembargador Sebastião Ribeiro Martins, acolheu o recurso do Tribunal de Contas do Piauí. “Não se trata de insegurança jurídica, sobretudo da aplicação do princípio da supremacia da constituição, que confere aos Tribunais de Contas o relevante papel de controle externo de toda a administração pública”, disse o desembargador na sentença.

 

04/04/2017

Campanha Salarial: rol de reivindicações é entregue

por: Sindiágua-RS

No dia 30 de março a Direção do SINDIÁGUA realizou – ao diretor Administrativo da Corsan – a entrega do rol de reivindicações da Campanha Salarial 2017/2018.

Aprovado em Assembleia Geral no último dia 10 de março, a proposta busca a renovação integral do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) vigente com todas suas correções sobre o INPC, e o acolhimento de novas cláusulas deliberadas pela categoria em Assembleia. Na questão salarial, os trabalhadores e as trabalhadoras almejam a aplicação imediata do INPC, mais 50% do índice a título de Ganho Real.

Assembleia Permanente
Também definição dos trabalhadores e das trabalhadoras durante o dia 10 de março, a transformação da Assembleia Geral em Assembleia Geral Permanente, até a celebração do ACT 2017/2018, permite que a direção do Sindicato, juntamente com o Conselho de Representantes, defina ações sem a necessidade de chamamento de nova Assembleia. Entre elas, poderá se decidir sobre a questão de uma possível paralisação e de uma greve.

O presidente do SINDIÁGUA, Leandro Almeida, espera que a negociação vá ao encontro dos anseios da categoria, a qual foi responsável direta pelo superávit de mais de R$ 200 milhões que a Companhia obteve em 2016. Almeida salientou que a preservação de direitos históricos conquistados pelos trabalhadores também é uma pauta importante das negociações.

Juntamente com o rol de reivindicações, o Sindicato solicitou a prorrogação do Acordo Coletivo vigente até o final das negociações. O SINDIÁGUA também sugeriu a data de 19 de abril como o prazo máximo de início das negociações.

 

03/04/2017

Sindaen: proposta da Sanepar é frustrante

por: Sindaen

Aparentemente a Sanepar desconhece a realidade dos seus trabalhadores. Após meses de intransigência e alguns milhões de reais investidos em publicidade, a empresa mais uma vez não atende as necessidades da categoria. Se levar em conta que a companhia teve um lucro líquido crescente de 43%, passando de R$ 438,4 milhões (2015) para R$626,8 milhões (2016), chegar na mesa de negociação com proposta de reajuste de apenas os índices do INPC (4,69%) no salário dos saneparianos pode ser considerada uma piada de péssimo gosto.

Representantes do Sindaen, Saemac, Sindael e Staemcp participaram da mesa de negociação com a empresa no dia 31 de de março. Os sindicatos acreditavam que após chegar ao quarto ano consecutivo sem receber aumento real, além de ter um aumento de produtividade no trabalho de 10% em 2016 (segundo dados do Dieese – Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), este ano haveria um reconhecimento.

A expectativa do trabalhador se justifica não só pelos números positivos nos resultados da empresa, mas principalmente pelo esforço coletivo de todos os saneparianos em fazer da Sanepar uma referência no mercado. Mas os número, na prática, não são repassados aos trabalhadores, pois de 1994 até fevereiro de 2016 há um acúmulo histórico de perda salarial. O índice de prejuízo chega aos 14,81%, de acordo com o Dieese. Ou seja, são valores que não foram repassados aos trabalhadores.

Durante a reunião, os sindicatos apresentaram as seguintes contrapropostas (além de manter as conquistas dos anos anteriores): melhorias no vale alimentação e reforço alimentar, com reajuste tendo como base o índice inflacionário medido na capital paranaense (alimentação fora do domicílio); assim como o avanço no ganho real, fixação de um piso salarial para a gratificação de férias e correção do abano linear pelo INPC.

 

03/04/2017

Copasa:Categoria abre a luta para melhorar Salários e destravar o Plano de Cargos

por: Sindagua-MG

Os trabalhadores em todo o Estado aprovaram a “Pauta de Reivindicações” da categoria, que será negociada com a Copasa para o Acordo Coletivo de Trabalho 2017.
As reivindicações das assembleias realizadas em todo o Estado estão sendo compiladas e organizadas com base jurídica para que possam ser encaminhadas à direção da Copasa, para análise e marcação das reuniões para o processo de negociação.

Nossa data-base é 1º de maio e nos primeiros dias do mês saberemos qual é a inflação acumulada pelo INPC equivalente a 12 meses. A estimativa é de que este índice fique em torno de 4,5%.
Logo que o documento formatado seja concluido e entregue à empresa, publicaremos para que os trabalhadores possam acompanhar o processo de negociações.
Ao mesmo tempo em que abrimos nossa campanha salarial, estaremos concluindo o processo de implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários.
Fique atento! Esta é a hora de garantirmos nossos direitos e salários dignos.

Na campanha salarial deste ano o Sindicato volta a cobrar da Copasa medidas que reclamamos com insistência pela reposição de vagas abertas com o PDVI e aposentadorias, reestruturação e melhores condições de trabalho, além da recuperação dos salários não apenas pela inflação acumulada, mas para ajustá-los para eliminar desequilibrios na tabela salarial. Cobramos o reconhecimento do desempenho dos trabalhadores para superarmos uma crise profunda dos últimos anos.

Deveremos ter uma inflação acumulada em torno de 4,5% na data-base de 1º de maio e buscamos um ganho real em percentual a ser apresentado pelo Dieese e que divulgaremos oportunamente aos trabalhadores junto com a Pauta de Reivindicações aprovada nas assembleias realizadas em todo o Estado entre os dias 20 a 24 de março.

Este é o momento de reforçarmos nossa unidade e mobilização, para fortalecer o Sindicato na mesa de negociações com a empresa. Fiquem atentos para eventuais chamadas de assembleias, participando ativamente da construção do Acordo Coletivo de Trabalho 2017.

 

 

Fechar Menu