Quase metade da população brasileira ainda não tem acesso à rede de esgoto. E a água potável ainda não é uma realidade para todos os brasileiros. Mas, embora o desafio pareça grande, investidores estrangeiros estão empenhados na privatização da área de saneamento básico. É o que comprovou uma pesquisa realizada pelo Instituto Mais Democracia, do Rio de Janeiro.

Essa investida conta com o apoio do governo golpista de Temer que ameaça com o encaminhamento do Congresso Nacional de uma proposta de projeto de lei ou medida provisória que visa mudanças na Lei Nacional do Saneamento Básico, na tentativa de abrir, de vez, as portas do setor para a privatização.

Assista a reportagem sobre quem são os proprietários do saneamento no Brasil:
clique no link: https://www.facebook.com/brasilemrede/videos/1672258012869058/?t=37

Resistência contra a privatização do saneamento

Como uma das formas de resistência a privatização do saneamento no país, foi criado o Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento – ONDAS – no último dia 25 de abril, em Brasília, por entidades sociais, sindicais e acadêmicas. Seu objetivo é formular políticas para o saneamento básico, lutar contra qualquer tentativa de privatização da água e elaborar documentos no setor.

A assembleia de fundação (oficial) do ONDAS está agendada para o próximo dia 7 de junho, às 17 horas, na Universidade de Brasília – UnB.

Leia também:
Pela resistência contra qualquer tentativa de privatizar a água é criado o Observatório Nacional do Saneamento

Fechar Menu