Live com debate acontece em 21 de janeiro e o filme estará disponível, de forma gratuita, a partir do dia 22 no YouTube

Um incêndio em 3 de novembro/2020 destruiu o transformador que levava luz à maior parte da população do estado do Amapá, provocando um apagão de 22 dias. Este é o cenário retratado no documentário “Amapá: quem vai pagar a conta?”, dirigido pelo premiado cineasta Carlos Pronzato*.

Com quase 90% da população (cerca de 765 mil pessoas) afetada, o filme retrata como grande parte das cidades do Amapá, em plena pandemia da Covid-19, enfrentou os problemas no fornecimento de energia elétrica, que também interrompeu o abastecimento de água, serviços de telefonia e internet, impôs dificuldades para comprar e armazenar alimentos,  entre tantos outros.

Pronzato realizou mais de 30 entrevistas durante os dias do apagão na capital Macapá, coletando depoimentos de populares, professores e trabalhadores em geral, que vivenciavam o caos. Parte das conversas ilustram o documentário, assim como entrevistas com militantes sociais e sindicais que apontam causas e negligências que levaram o estado a esse caos. Os presidentes da Confederação e Federação Nacional dos Urbanitários, Paulo de Tarso e Pedro Blois, respectivamente; o presidente do Sindicatos dos Urbanitários do Amapá, Jedilson Oliveira, e o integrante da Coordenação Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB, Iury Paulino, são alguns dos entrevistados que explicam como a privatização de um setor estratégico para o país foi a causa primordial do apagão.

A sucessão de problemas ocorridos desde a privatização da concessionária de energia elétrica no Amapá é revelada no episódio, que aponta ainda a necessidade de fiscalização de empresas privadas por parte da Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel – e do Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS – e questiona quem deve arcar com os prejuízos.

O debate do tema ganha mais urgência com acontecimentos similares ocorridos nos últimos dias. Entre os dias 31/12 a 3/1, Teresina (Piauí) também viveu um apagão, assim como a população de São Luís (Maranhão) que ficou no escuro em 8 de janeiro. Nas duas capitais, a prestação do serviço de energia elétrica é privatizada.

O documentário “AMAPÁ: quem vai pagar a conta?” pretende, de forma premente, investigar as causas e os impactos causados pelo apagão e ser um instrumento esclarecedor sobre as privatizações no setor público, que vão além da energia elétrica, passando pelo abastecimento de água, comunicações, fornecimento de gás e combustíveis, entre tantos outros.

LIVE DE LANÇAMENTO
No dia 21 de janeiro, às 14h, será realizada a live de lançamento do documentário, com o debate de como as privatizações podem desencadear “apagões” em serviços essenciais em todo o país, com a participação de representantes de entidades civis e sindicais. A live será transmitida pelas redes sociais Facebook e YouTube: @fnucut.

FILME ESTARÁ DISPONÍVEL NO YOUTUBE
O documentário produzido com o apoio das entidades dos urbanitários – CNU, FNU, federações regionais e sindicatos dos estados, estará disponível gratuitamente na plataforma Youtube, no canal Carlos Pronzato (https://www.youtube.com/channel/UCpQbUHc34JoE-j_qQ8UOXCg?reload=9), a partir de 22 de janeiro – 14 horas. Duração: 45 minutos.

* Carlos Pronzato é cineasta documentarista, diretor teatral, poeta e escritor. Suas obras audiovisuais e literárias destacam-se pelo compromisso com a cultura, a memória e as lutas populares. Dentre seus mais de 70 documentários destacam-se: “Bolívia, a Guerra da Água”, “Lama, o crime Vale no Brasil, a tragédia de Brumadinho”, “O Panelaço, a rebelião argentina”, “Bolívia, a guerra do gás”, “Madres de Plaza de Mayo, verdade, memória e justiça”, e “Pinheirinho, tiraram minha casa, tiraram minha vida”. Confira catálogo de filmes e livros: www.lamestizaaudiovisual.com.br .

Fechar Menu