Empresa diz manter os benefícios, mas sem reajustar o seu valor

Na segunda reunião de negociação do Acordo Coletivo, realizada dia 14 de agosto, a nova direção da Copasa apresentou ao SINDÁGUA e Saemg uma proposta que achata o valor dos salários e dos benefícios.

Apesar de termos um INPC acumulado de 5,07% nos últimos 12 meses até a data base, a Copasa, que teve uma autorização de reajuste tarifário de 8,38%, sugeriu um reajuste salarial de apenas 4,09%, sem aplicá-lo também sobre o valor dos benefícios.

De imediato, reforçou que “a data-base está garantida” e que a empresa está totalmente aberta para o diálogo com os sindicatos, o que garante a oportunidade de evoluirmos numa proposta final que venha compatibilizar o interesse dos trabalhadores e da Copasa.

A coordenadora da comissão patronal informou que todos os argumentos dos sindicatos apresentados na última reunião foram discutidas com a direção da empresa, que, segundo ela, “se mostrou sensível às ponderações dos dirigentes sindicais”.

REAJUSTES MENOR QUE INFLAÇÃO FAZ SALÁRIO PERDER SEU VALOR REAL

Os trabalhadores na Copasa sempre tiveram reajustes de salários baseados na variação do INPC acumulado em 12 meses até a data-base.

No ano passado, o reajuste salarial na empresa foi de 1,69% em 1º de maio, enquanto a empresa obteve um reajuste tarifário de 4,31%, autorizado pela Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Arsae) a partir de 1º de agosto.

Mais recentemente, em 29 de junho, a Arsae autorizou mais outro reajuste tarifário para a Copasa, de 8,38%, que passou a vigorar a partir de 1º de agosto.

Deve-se lembrar que estes reajustes se aplicam à menor tarifa para menores consumos, sendo que a empresa alcança percentuais mais elevados sobre grandes consumidores residenciais e comerciais.

Falar que os reajustes salariais acompanham a tarifa está muito longe da realidade dos trabalhadores e não se pode admitir que a empresa ganhe na tarifa e também em reajustes menores nos salários dos trabalhadores, achatando salários abaixo do registrado pelo INPC para a inflação desde a data-base anterior.

Achatar salários piora as condições de vida de nossas famílias, além de prejudicar o valor de benefícios, que o próprio presidente da empresa nos afirmou reconhecer pelo seu cunho social.

Esperamos que a empresa reconsidere sua proposta, para que o padrão de vida dos trabalhadores não seja prejudicado e possamos continuar plenamente empenhados no trabalho pela qualidade de serviços essenciais prestados pela Copasa.

Fonte: Ascom Sindágua-MG

Fechar Menu