A Cesan manteve a postura de não ceder às reivindicações dos trabalhadores, em reunião de mediação realizada na sexta-feira, dia 4, no Ministério Público do Trabalho (MPT).
O Sindaema levou o resultado da assembleia da categoria, que reprovou a proposta da empresa, fundamentada principalmente na retirada da cláusula 24, que abre caminho para a terceirização da atividade fim da empresa. O próprio MPT manifestou preocupação com a terceirização em sociedade de economia mista.
A Cesan chegou a afirmar que retira a proposta e concorda com o ajuizamento do dissídio (comum acordo). O Sindaema, por sua vez, mostrando estar o tempo todo em busca de diálogo, manifestou interesse em tentar uma reunião com a diretoria da empresa para tratar do item de impasse.
Sendo assim, o mediador propôs a prorrogação da data-base até o dia 16/12/2020, o que foi aceito pelas partes.
O Sindaema reforçou seu posicionamento de buscar soluções dialogadas, mas ressalta que a outra parte, neste caso a Cesan, precisa também estar aberta ao diálogo. Infelizmente, as negociações só estão acontecendo por intermédio de mediação do MPT, e esta deve ser uma exceção e não a regra.
Fechar Menu