Dirigentes do Sinergia CUT percorrem as regiões do estado desde a semana passada para promover assembleias com trabalhadores das empresas energéticas. O Sindicato quer se aproximar ainda mais de sua base para informá-la e, principalmente, ouvi-la sobre as suas reivindicações, dúvidas e o cenário de dificuldades por conta crise econômica. A agenda da caravana prevê visitas de todas as sete macrorregiões do Sindicato até o final deste ano.

Nesta quarta-feira (18), por exemplo, levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelou que famílias mais pobres ou simplesmente sem renda de trabalho representam mais da metade (52%) dos lares brasileiros. Aliado a esse panorama de desemprego, o presidente do Sinergia CUT, Edmar Feliciano, disse que a entidade sindical luta contra a voracidade das empresas em precarizar atividades e reduzir custos, o que impacta, na maioria das vezes, a folha de pagamento, ou seja, o trabalhador.

A caravana começou pela Macro de Presidente Prudente, entre os dias 10 e 13 de setembro, passando por unidades da Energisa, da Elektro, da Cesp e da State Grid. Com isso, foram visitadas as cidades de Assis, Presidente Venceslau, Presidente Epitácio, Pirapozinho, Teodoro Sampaio e Rosana, bem como o seu distrito Porto Primavera.

A presidenta do Sinergia Prudente, Elvira Zanoni, e demais dirigentes locais também falaram aos trabalhadores sobre o cenário do setor elétrico, o que incluiu o andamento da Campanha Salarial 2019 no âmbito geral. “Assuntos específicos de cada empresa, como ACT, PLR e as negociações, também foram contemplados, bem como as eleições do Sinergia CUT e do Sinergia Campinas, que acontecem no ano que vem”, elencou o presidente do Sinergia Campinas, Carlos Alberto Alves.

Esta semana, a Macro Rio Claro é que está com o pé na estrada. Os dirigentes locais já estiveram em São João da Boa Vista e São José do Rio Pardo, na unidade da CPFL Santa Cruz e na Usina do Limoeiro/AES Tietê. “Ainda faltam ser visitadas unidades nas cidades de Limeira e Rio Claro”, disse o diretor de Organização Social do Sinergia Campinas, José Luiz Zétula.

Segundo Zétula, por conta da Reunião Executiva do Sindicato e do 13º CONCUT (Congresso Nacional da CUT) a programação foi suspensa, fazendo com que as visitas a serem feitas pela Macro de São José do Rio Preto fossem transferidas da próxima semana para meados de outubro. “Depois de retomadas, faremos com que todas as macros façam até o final do ano, faltando, então, Ribeirão Preto, Bauru, Ilha Solteira e Campinas. Estaremos posteriormente divulgando o novo calendário.”

A Macro de Campinas será a última a entrar na caravana por ser a maior base e exigir mais do que uma semana de visitas, segundo Zétula. “Não conseguimos atingir 100% da base, mas a ideia é irmos nos principais locais de trabalho e estamos tendo uma ótima receptividade.”

 

Fechar Menu