Decisão arbitrária do MEC ao tentar investigar UnB causa efeito contrário e instituições como Unicamp, USP, UFBA criam disciplina com o mesmo tema

A FNU apoia apoia “uma Educação democrática, plural e libertadora. E, citando o grande mestre Paulo Freire: ‘Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão’.”

Após o pedido feito pelo ministro da Educação,Mendonça Filho,  para que o curso sobre o golpe de 2016 oferecido pela Universidade de Brasília (UnB)fosse investigado, pelo menos outras sete instituições de ensino do país criaram iniciativas semelhantes, todas com o intuito de analisar os efeitos do golpe sofrido pela presidenta eleita Dilma Rousseff.

Além da UnB, as universidades federais da Bahia (UFBA) e do Amazonas (UFAM), a USP, a Unicamp e a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) também irão ofertar a disciplina aos alunos de seus cursos de Ciência Política com a perspectiva de oferecer um panorama completo deste período tão conturbado da história recente do país.

Na UFRN a disciplina “O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil” será vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e estará aberta a quem estiver interessado na modalidade Extensão.

Na Unicamp estão previstas aulas como “A fragilidade da democracia brasileira”, “As políticas do governo golpista”, “A nova direita”, “O jogo político do STF e o golpe”, “O ataque à educação” e “As reformas trabalhista e previdenciária”.

Cerca de 30 professores já se voluntariaram a ministrar o curso. “Vamos começar com uma discussão sobre caracterização do que é golpe de Estado do ponto de vista da ciência política, depois vamos debater essas rupturas democráticas que ocorreram no Paraguai, em Honduras, no Peru. A segunda parte vai ser o processo do golpe no Brasil em si, as manifestações de 2013, a direita do país e o papel das classes médias”, explicou professor de Ciência Política Wagner Romão.

Em uma segunda temática, explica o professor, o curso fará um panorama sobre as políticas adotadas pelo governo ilegítimo de Temer: “Vamos analisar a Reforma Trabalhista, a proposta da Previdência, esse autoritarismo quanto à questão da segurança pública e esse estilo de Michel Temer governar como fazer acordos para manter a base conservadora”.

Para além da proposta acadêmica do curso, também está em questão a solidariedade ao professor Luís Felipe Miguel, que ministrará o curso da UnB e alvo de cerceamento autoritário do MEC. Em nota, os docentes do Departamento de Ciência Política da Unicamp declararam que a postura de Mendonça Filho é  “demonstração cabal de que vivemos em um contexto político autoritário, no qual a máxima autoridade federal no campo educacional infringe a liberdade de cátedra e a autonomia universitária”.

Infelizmente, ainda de acordo com Romão, o caso da UnB não é o único exemplo arbitrário do atual governo no trato com as universidades. ” O que a gente tem visto é uma sequência de ataques não só na universidade pública mas às direções das universidades publicas. Isso não é uma coisa banal.  Temos que ficar em alerta”, conclui. (fonte: Agência PT de Notícias)

Leia aqui a nota da FNU em apoio à UnB.

Fechar Menu