A Folha de S. Paulo, que apoiou irrestritamente a reforma trabalhista, em reportagem (17/12) mostra que o jornal “descobriu” que a reforma das leis trabalhistas acaba por quebrar a Previdência brasileira, uma vez que as relações de trabalho se precarizam e as pessoas deixam de contribuir.

A Folha de S.Paulo, em sua reportagem, mostra os efeitos negativos da precarização do trabalho nas contas da Previdência. Ou seja: parece que o jornal “descobriu” as consequências nefastas da reforma que ela mesmo apoiou.

“Mudanças no mercado de trabalho brasileiro têm ampliado a fatia dos “sem previdência” e contribuído para o rombo no sistema de aposentadorias e pensões.

Os números do INSS mostram que vêm minguando os contribuintes assalariados de maior renda. De 1996 a 2015, o contingente dos que recebem acima de sete salários mínimos (equivalente a R$ 6.559 em 2017) encolheu 14%.

Numa faixa superior, a dos que ganham mais de 15 salários mínimos, a redução foi mais que o dobro: 33%.

Isso significa que um número menor de pessoas paga contribuições mais altas, num sistema em que, ano a ano, as despesas crescem em velocidade superior à das receitas.

Um dos principais motivos para o “sumiço” dos contribuintes assalariados com valor mais alto é que eles estão virando empresas, dizem economistas, num movimento que vem se agravando.”  (fonte: Brasil 247.  Reportagem – Folha de S. Palo, de Ana Estela de Sousa Pinto)

Fechar Menu