O Coletivo Nacional dos Eletricitários considera altamente positivo o movimento dos trabalhado­res do Sistema Eletrobras realizado até aqui. Em todas as empresas o que se acompanha é o sentimento da importância de se dizer não à pri­vatização e exigir a demissão do pior presidente da história da Eletrobras, que é o senhor Pinto Júnior.

Essa postura nada mais é do que um ato de repúdio às suas atitudes ditatoriais. Um mau exemplo dado por ele pode ser cons­tatado pela sua determina­ção em proibir as empresas de fornecerem às entidades a listagem dos empregados como forma de se garantir junto ao TST os 75% do qua­dro exigido por decisão do Ministro Mauricio Godinho.

O CNE não tem dúvida de que a estratégia de Pinto Jú­nior é forçar o TST a multar os sindicatos, já que sem a listagem supostamente ficará mais difícil provar o cumprimento das con­dições impostas pela justiça. Mas toda ação tem uma reação, por isso o Coletivo preparou uma ofensiva jurídica contra a direção da Eletrobras, por meio de petição junto ao TST, por se negar a liberar essas informações.

Afinal, se os trabalhadores podem ser denun­ciados, por que os dirigentes da Eletrobras e de suas empresas também não podem ser?

A FNU – Federação Nacional dos Urbanitários – encaminhou ofício nesta terça-feira (12 de junho) à Eletrobras solicitando o envio da listagem do quantitativo de trabalhadores. O mesmo foi encaminhado também ao TST como prova do interesse das entidades sindicais em cumprir o que foi determinado pela Justiça.

Va­mos aguardar que o bom senso prevaleça.

Importante lembrar: Algumas unidades regionais das empresas de geração e transmissão da Eletrobras (Furnas, Eletronorte, Chesf, Eletrosul e Amazonas GT) permanecem em greve.

O CNE confirma que, apesar da adesão maciça dos eletricitários à mobilização, a prestação dos serviços essenciais e as unidades de manutenção emergencial foram mantidas, para que não houvesse qualquer prejuízo aos consumidores.

NOSSA LUTA CONTINUA POR:
#ELETROBRASPÚBLICA
#FORAPINTO!

Leia o boletim na íntegra do CNE: Boletim CNE 12.6.18

Deixe uma resposta

Fechar Menu