Caso se efetive a venda, haverá estabilidade de, no mínimo, dois anos nas distribuidoras de energia pertencentes à estatal que serão privatizadas

A FNU continua firme em sua luta contra a privatização da Eletrobras

O senador Eduardo Braga (MDB/AM) obteve, na última semana (dia 28/3), o compromisso do relator da Medida Provisória 814/2017 (sobre a privatização da Eletrobras), deputado Júlio Lopes (PP/RJ), de acatar a sugestão que protege os trabalhadores das concessionárias da Eletrobras.

A proposta do parlamentar amazonense garante a estabilidade de, no mínimo, dois anos nas distribuidoras de energia pertencentes à estatal que serão privatizadas. Caso haja demissão, os trabalhadores receberão uma indenização equivalente a dois anos de serviço, além dos direitos previstos em lei.

O acerto ocorreu durante reunião entre Eduardo Braga – que preside a comissão mista responsável por analisar a MP814/2017 -, Júlio Lopes, o secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, além de técnicos e consultores da pasta e do Congresso Nacional.

“Superamos mais uma etapa na luta pelos trabalhadores da Eletrobras. Vamos redobrar nossos esforços para que a nossa proposta avance e vire realidade”, disse o senador, após o encontro ocorrido em seu gabinete. Só na Amazonas, a distribuidora de energia administrada pela estatal conta com, aproximadamente, dois mil trabalhadores. Muitos deles, já destacou Eduardo Braga, estão há mais de 20 anos atuando no setor.

Agenda

Nesta semana, a comissão mista da MP 814/2017 reúne-se para promover duas audiências públicas. Elas serão realizadas nesta terça-feira (3/4) e quarta-feira (4/4). Estão convidados para os debates representantes do governo federal e setor elétrico, entre sindicatos, institutos e federações. (com informações: Portal do Marcos Santos)

NÃO À PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRAS!
URBANITÁRIOS EM LUTA!

Deixe uma resposta

Fechar Menu