Os programas de governos dos candidatos do segundo turno a presidência da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro do partido PSL (Partido Social Liberal) e Fernando Haddad são bastantes diferentes. Um ponto dos programas que são diferentes é em relação ao que fazer com as empresas estatais.

O plano de governo de Fernando Haddad prevê suspender a política de privatização de “empresas estratégicas”, já Bolsonaro fala que “algumas estatais serão extintas, outras privatizadas e, em sua minoria, pelo caráter estratégico, serão preservadas”.

Saiba um pouco sobre o que os candidatos ao Planalto disseram sobre privatização de empresas estatais.

Fernando Haddad
O programa de governo do candidato petista Fernando Haddad fala que pretende “suspender a política de privatização de empresas estratégicas para o desenvolvimento nacional e a venda de terras, água e recursos naturais para estrangeiros”.

Haddad não pretende privatizar a Eletrobras, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Embrapa. O candidato afirma que essas empresas são “estratégicas para o desenvolvimento e não serão privatizadas de jeito nenhum”.

Jair Bolsonaro
O candidato pretende vender ativos públicos com o correspondente resgate da dívida mobiliária federal, ou seja, para abater a dívida pública. Sobre a questão colocada Bolsonaro disse o seguinte:

“Estimamos reduzir em 20% o volume da dívida por meio de privatizações, concessões, venda de propriedades imobiliárias da União e devolução de recursos em instituições financeiras oficiais que hoje são utilizados sem um benefício claro à população brasileira. Algumas estatais serão extintas, outras privatizadas e, em sua minoria, pelo caráter estratégico, serão preservadas”

Sobre a privatização da Eletrobras, Bolsonaro tem mudado de opinião conforme a circunstância e o público a que se dirige.

Leia também:
 Haddad assina carta compromisso para não privatizar sistema Eletrobras e suas distribuidoras
. Haddad em carta aos urbanitários: “estaremos unidos na defesa do acesso à água e ao esgotamento sanitário”

Urbanitários em luta: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento.
ÁGUA, ENERGIA E SANEAMENTO NÃO SÃO MERCADORIAS!

Fechar Menu