“Vai aumentar o preço da energia e precarizar o serviço para a população”, diz sindicalista

Em entrevista ao Brasil de Fato, Emanoel Mendes, diretor do Sindicato dos Eletricitários e da Associação de Empregados da estatal, explicou os prejuízos da privatização do setor elétrico na vida dos brasileiros.

Para ele, “não dá pra querer fazer a privatização de uma empresa que vale R$400 bilhões, querer vender por R$12 bilhões e em menos de 6 meses. Isso a gente não aceita”.

Brasil de Fato: Uma das estratégias da privatização é o sucateamento da estrutura das empresas públicas. Qual a situação das empresas do sistema Eletrobras? 

Hoje o que está acontecendo é que o senhor Wilson Pinto tem vendido para a sociedade que a Eletrobras é ineficiente. É mentira. E uma mentira deslavada. A Eletrobrás hoje controla quase 1/3 da geração de energia elétrica desse país e não faltou energia nesses últimos anos para a sociedade brasileira. Muito pelo contrário. Todo o investimento que foi feito em geração e transmissão a Eletrobras estava fazendo sozinha ou em parceria com o setor privado.

Se as empresas do sistema Eletrobras forem privatizadas qual será o impacto na vida das pessoas?

O primeiro impacto para a sociedade é um aumento na conta de luz, já estudado inclusive pela Agência Nacional de Energia (ANEL), que regula o setor, um reajuste de aproximadamente 20% na conta de luz da população brasileira. Com as usinas, a Eletrobras vende energia para o mercado cativo a R$40 MWh. Se a empresa for privatizada, isso vai para o mercado livre que vai vender a energia para a população a R$200 MWh. Ou seja, vai ter uma diferença aí de 160%. E ai quem vai pagar essa conta? A população brasileira. Vai ao mesmo tempo aumentar o preço da energia e precarizar o serviço para a população.

DIGA À PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRAS!
NÃO PODEMOS DEIXAR QUE ENTREGUEM O PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO AO CAPITAL ESTRANGEIRO!

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu