O controle acionário da Eletrobras que o governo Temer pretende por à venda está suscitando opiniões de especialistas do setor.

Para o professor Paulo Feldmann, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP e ex-presidente da Eletropaulo, o atual cenário brasileiro comprova que a venda da Eletrobras não é uma boa ideia.

Feldmann diz que as empresas de energia elétrica que foram privatizadas, como é o caso da Eletropaulo, aumentaram os preços cobrados e não melhoraram a sua atuação e eficiência. Segundo o professor, privatizar só faz sentido quando incentiva a concorrência entre empresas e, no setor de energia elétrica, não há como ter mais de uma empresa competindo. A Eletrobras apenas mudaria de monopólio estatal para monopólio privado e não possuiria nenhum incentivo para melhorar seu serviço ou reduzir suas tarifas.

O professor também defende que a privatização depende mais do setor do que do modelo e que a venda da Eletrobras só está acontecendo porque o governo tem um déficit muito grande e precisa de caixa para cobrir seus rombos. Ele revela que, para melhorar a eficiência das empresas estatais, é necessário uma maior organização interna, com equipes técnicas e sem a indicação de cargos por parte dos governantes. (fonte: Jornal da USP)

Você pode ouvir a entrevista completa no player abaixo.

 

 

Fechar Menu