Estudo recente do IBGE aponta que 31 milhões de brasileiros pobres vivem sem água encanada e outros 74,4 milhões moram em casas sem acesso à rede de esgoto

Cerca de 31 milhões de brasileiros viviam em residências sem acesso a abastecimento de água pela rede de distribuição em 2016. Os dados constam de um estudo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísitca) divulgado no final de dezembro/17.

A pesquisa mostra ainda que 74,4 milhões vivem em casas que não estão conectadas à rede de coleta de esgoto.

Pouco mais da metade da população (62,1%) têm acesso simultâneo à água encanada, rede de esgoto e coleta de lixo.

Quase 3,5 milhões de brasileiros viviam em residências sem banheiro. “Piauí e Acre tinham, em 2016, respectivamente 12,3% e 10,2% de suas populações vivendo em domicílios sem banheiro ou sanitário de uso exclusivo”, ressalta o IBGE.

Outros 11,6 milhões integravam habitações com mais de três moradores por dormitório, o que o IBGE chama de “adensamento excessivo”. Desse total, 7,4 milhões de pessoas vivem abaixo da linha da pobreza — com menos de US$ 5,5 por dia, ou R$ 387,07. (com informações: R7)

A FNU, que representa trabalhadores(as) do setor de água e saneamento de todo o país, se engaja na luta pelo direito à água e saneamento básico para toda a população. Nesse sentido, também estará presente ao FAMA 2018 – Fórum Alternativo Mundial da Água – a ser realizado entre os dias 17 e 22 de março, em Brasília, para debater e defender água como direito, não mercadoria.

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu