O general da reserva do Exército Oswaldo Ferreira disse nesta quinta-feira (8/11) que o Ministério de Minas e Energia (MME) vai ficar separado da chamada superpasta da Infraestrutura e ainda não há qualquer definição sobre quando o titular da pasta do MME será divulgado.

“Isso aí já está acertado que a parte de Minas e Energia vai ficar numa parte separado”, disse Ferreira, um dos cotados para assumir essa pasta da Infraestrutura e que comanda um grupo de transição do setor.

Há duas semanas, o grupo responsável por formular o desenho do setor de infraestrutura no governo de Bolsonaro chegou a propor a criação de um superministério, apesar de pressão de representantes do setor elétrico nos bastidores para deixar o MME fora desse novo modelo.

Em entrevista ao chegar para reunião da equipe de transição em Brasília, o general minimizou o fato de vir a ter no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro status de superministro, assim como Paulo Guedes na Economia e Sérgio Moro na Justiça.

“Pode até ser. O que você julga como um superministro? Se você tem hoje um ministro dos transportes portos, aeroportos, aviação civil, colocar coisa a mais para ele ele já é um super, né? Dentro dessa ideia, vamos colocar. Mas não é bem essa ideia, essa conotação”, afirmou.

Ferreira também não soube dizer se o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) vai integrar o Ministério da Infraestrutura, nem se quais os planos para as privatizações.

“Qualquer definição definitiva não é definitiva. Vocês estão ansiosos e nós também”, disse. (fonte: Reuters)

Leia também:
20 e 21 de novembro: Seminário de Conjuntura do CNE – Coletivo Nacional dos Eletricitários

Luta contra privatização da Eletrobras não acabou: continuamos firmes
. Vitória: Senado rejeita projeto sobre venda de distribuidoras da Eletrobras

Urbanitários em luta: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento.
ÁGUA, ENERGIA E SANEAMENTO NÃO SÃO MERCADORIAS!

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu