Na última semana (12/12), o diretor da equipe de infraestrutura do governo de transição, Jonathas Castro, explicou o planejamento para as políticas públicas do setor de saneamento básico no futuro governo Bolsonaro. A declaração foi dada na sede da Assemae, em Brasília, durante reunião ordinária do Conselho Diretor Nacional da entidade.

Segundo notícia divulgada pela entidade, Castro confirmou a proposta de que será criado o Ministério do Desenvolvimento Regional, a partir da fusão das pastas de Cidades e Integração Nacional e que deverá ser mantida uma secretaria específica no novo Ministério para tratar as questões de saneamento básico, incluindo o tema de recursos hídricos.

Castro teria dito, ainda, que a equipe de transição está dialogando junto aos diferentes atores do saneamento básico, a fim de elaborar uma proposta que melhore os pontos controversos da Medida Provisória 844/2018, matéria que não chegou a ser votada pelo Congresso Nacional em 2018.  (com informações: site Assemae)

A FNU – Federação Nacional dos Urbanitários – que representa os trabalhadores do setor não foi procurada pela equipe de transição.

Leia também:
ONDAS se consolida como instrumento de luta contra o retrocesso no saneamento básico

Urbanitários em luta: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento.
ÁGUA, ENERGIA E SANEAMENTO NÃO SÃO MERCADORIAS!

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu