Foi realizada no último dia 11, em Natal, uma reunião da Intersindical com a Neoenergia. Neste encontro, participaram o Diretor de Gestão de Pessoas, Bruno Coelho, o Superintendente de Relações Trabalhistas, Elton Nery, e os gerentes de Recursos Humanos das empresas. Durante o encontro, a Intersindical colocou para a holding que as metas e pontuações não podem servir como limitador da PLR e não serão aceitas metas que não sejam exequíveis, conforme os últimos resultados das empresas.

Com solicitação antiga da bancada da Intersindical, pela primeira vez, a Holding começa a discutir PLR no mês de abril. Foram apresentadas as propostas do patronato e marcada reuniões para explicações sobre objetivos e metas das empresas propostos pela Holding. Os objetivos apresentados inicialmente são referentes à combos: financeiro; educativo sem débitos de acidentalidade; investimentos; excelência operacional; e clientes.

A Intersindical enfatizou pontos da lei 10101, que regula a participação dos trabalhadores nos lucros ou resultados, como incentivo a produtividade e de regras claras e objetivas, ressaltando, mais uma vez, que o programa de metas e resultados e prazos devem ser pactuados previamente entre as partes.

Para o coordenador da Intersindical, José Fernandes, existe a necessidade de melhoria no pagamento da PLR. O momento é excelente para o crescimento das empresas, que através do suor dos seus trabalhadores estão conseguindo excelentes resultados financeiros. Os acionistas precisam das empresas prestando melhores serviços e mais lucrativas e, por outro lado, os trabalhadores de receber melhor valorização em sua participação nos lucros e resultados, proporcional as melhorias alcançadas nos crescimentos das empresas.

Fonte: Ascom Intersindical Neoenergia

Deixe uma resposta

Fechar Menu