Durante a campanha eleitoral, o então candidato ao governo do DF, Ibaneis Rocha (MDB), recebeu dirigentes sindicais do STIU-DF para tratar da situação da CEB, na oportunidade foi entregue carta aberta com uma série de reivindicações da categoria que deveriam ser incorporadas ao programa de governo, dentre elas o compromisso de manter a CEB pública e sob controle do DF. Na ocasião, Rocha reconheceu a importância da estatal para a cidade e firmou acordo de preservar a empresa pública.

No entanto, após assumir o governo do Distrito Federal, Ibaneis Rocha vem descumprindo diversas promessas, e por mais de uma vez manifestou interesse em privatizar as estatais sob controle do GDF. Ontem (13), de acordo com publicação do site Metrópoles, o governador anunciou que a CEB Distribuição, subsidiária da Companhia Energética de Brasília (CEB), será privatizada e que a meta é vender 51% das ações da empresa. Dessa forma, o Governo do Distrito Federal (GDF) passaria a ser acionista minoritário.

Para o STIU-DF, o anuncio demonstra a incapacidade do governador de lidar com eventuais problemas e desgastes e de forma pueril busca uma alternativa instantânea, sem levar em consideração os efeitos da medida a longo prazo. Vale destacar, que após a privatização da Celg, atual Enel Goiás, a população foi surpreendida com reajustes que já ultrapassam os 30%.

A entidade sindical lembra que em 2015, o então governador Rodrigo Rollemberg ousou apresentar um projeto de lei para viabilizar a venda das estatais do DF. Com forte mobilização das categorias nas ruas e na CLDF, Rollemberg teve que recuar. Agora, a luta não será diferente.

A privatização no setor elétrico traz consequências prejudiciais para todos os setores da sociedade. São os comerciantes e a população quem vão pagar a conta do desmonte do patrimônio público.

Fonte: Roberta Quintino- Ascom STIUDF

Deixe uma resposta

Fechar Menu