Em informe, a Aeel – Associação dos Empregados da Eletrobras – denuncia o modelo de golden share utilizado para privatizar a Vale e que seria o modelo de privatização da Eletrobras “defendido pelos entreguistas e vendilhões, cujo principal objetivo, todos sabem, é vender o Sistema Eletrobras a preço de banana sem se importar com o aumento das tarifas e qualidade dos serviços prestados à sociedade.”

Leia a seguir o informe:

Rastros de um modelo fracassado

Passados três anos do desastre criminoso em Mariana, a VALE é a responsável por mais um rompimento de barragem de rejeitos de minério, que assim como a anterior, ceifa vidas, destrói famílias e provoca prejuízos incalculáveis ao meio ambiente. Desnecessário dizer que as perdas são irreparáveis.

Acima de tudo, nossa solidariedade aos trabalhadores e trabalhadoras da VALE, às famílias das vitimas e a todos mineiros neste momento de tristeza e dificuldade.

A conclusão lógica depois de Brumadinho é que nada foi feito para evitar que um crime dessa proporção se repetisse.
Os crimes de Mariana e Brumadinho são acompanhados pelo olhar gordo e ganancioso de especuladores, que exigem lucros a qualquer custo, mesmo que isso represente desgraça e destruição, e por uma golden share (golden shares, ações de ouro ou ações douradas em tradução livre do inglês, são ações de classe especial presentes em empresas estatais ou de capital misto, resultante de privatização destas. Tais papéis pertencem ao Estado, e deveriam garantir direitos especiais de caráter estratégico, como o ‘poder de veto’ de algumas decisões) atônita e incompetente.

Golden share é uma invenção neoliberal, voltada para o engano e facilitação de venda das riquezas e potencialidades do país. Essa invenção perniciosa lista uma série de “direitos” que não dizem nada e não garantem coisa nenhuma, haja vista os casos VALE e EMBRAER.

Em suma, golden share significa riquezas para fora e tragédias para dentro.

Este é o modelo de privatização da Eletrobras defendido pelos entreguistas e vendilhões, cujo principal objetivo, todos sabem, é vender o Sistema Eletrobras a preço de banana sem se importar com o aumento das tarifas e qualidade dos serviços prestados à sociedade. Como aconteceu com a VALE e a EMBRAER (agora dos americanos), vende a falácia da golden share que não garante nada.

Eis o DNA da golden share para a Eletrobras privatizada:

Eletrobras a preço de banana / tarifas altas para os consumidores / lucros elevados aos especuladores / quadros técnicos sucateados / manutenções escassas / sistema elétrico vulnerável / poder concedente fraco e submisso aos concessionários / poder público alienado / geopolítica desnorteada.

Vejam a golden share da Vale (Site da Cia.)

Destinos das Riquezas e Lucros da Vale – Estrangeiros e Bancos

Consideramos que a VALE privatizada visa à alta lucratividade e atende aos interesses de indivíduos e grupos financeiros que divergem das empresas de gestão pública. Essas têm o papel de satisfazer o interesse e bem estar geral garantindo que a resolução de conflitos vise à coletividade, com a manutenção do equilíbrio econômico sem a prevalência da lucratividade.

A Eletrobras possui aproximadamente 48 usinas, incluindo as SPE’s, entregar uma empresa estratégica com tantas barragens é um risco às populações e ao meio-ambiente, muito superiores aos encontrados ao redor das mineradoras.

Veja o informe da Aeel:Informe_Aeel 011_19_Vale_Golden_Share_

Leia também:
“Golden Share”: a farsa que levou à privatização da Vale e que agora ameaça a Eletrobras

 Compreenda o que são golden shares e como podem ser usadas em privatizações, inclusive na Eletrobras
Mais uma mentira vem aí: a farsa da Golden Share

Urbanitários na resistência: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento.
ÁGUA, ENERGIA E SANEAMENTO NÃO SÃO MERCADORIAS!

 


Fechar Menu