Nesta quinta feira 12/4/2018, o Sindicato dos Urbanitários do Amazonas – STIUAM, representado por seu presidente Edney Martins e pelo secretário geral André Souza, estiveram presentes na Câmara Municipal de Itacoatiara participando da audiência pública direcionada ao fornecimento de energia elétrica ao estado do Amazonas e aquele município e suas comunidades.

Para a ocasião, o STIUAM foi convidado para esclarecer aos parlamentares de Itacoatiara sobre o processo de privatização de todo o sistema elétrico estatal brasileiro e seus malefícios. Caso venha acontecer a consumação dessa política equivocada deste governo federal golpista e ilegítimo, onde o abastecimento de energia elétrica a todo estado do Amazonas, será prejudicado em função do custo altíssimo que a tarifa de energia irá chegar nas mãos da iniciativa privada, deixando as comunidades mais carentes sem acesso a esse serviço essencial ao desenvolvimento social e econômico à região.

A audiência pública foi chamada pelo vereador A. I. Neto e pela única vereadora da casa Cheila Moreira, sendo bastante produtiva contando com a participação de representantes de entidades contribuindo com opiniões importantes para este debate como: o padre falando pelas entidades religiosas católicas, secretário municipal pelo poder executivo municipal (prefeitura), representante da comissão de Minas, Energia e Geodiversidade da ALEAM, representante do movimento de mulheres do campo Tânia Chantel, representante da presidência da Eletrobras, representantes do luz para Todos e o representante da Eletrobras no município de Itacoatiara. Exceto o representante do presidente da Eletrobras todos os oradores componentes da mesa lamentaram o momento delicado que se encontra a empresa e colocaram com muita contundência suas posições contrárias a privatização da Eletrobras Amazonas Energia.

Líderes comunitários do Campo também foram convidados e participaram ativamente da audiência pública cobrando demandas pendentes do programa luz para todos como  dos parlamentares para se posicionarem contra a privatização e a manutenção de energia elétrica nas comunidades ribeirinhas. (fonte: diretoria STIUAM)

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu