As águas do Rio Paraopeba, que corta Brumadinho (MG), apresentam riscos à saúde humana e animal. É o que aponta um comunicado conjunto das Secretarias de Estado de Saúde, do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais divulgado na noite desta quarta-feira (30/1).

Após os resultados iniciais do monitoramento do Rio Paraopeba, o governo de Minas desaconselhou o uso da água do leito sem tratamento para qualquer finalidade, até que a situação seja normalizada.

A nota do governo de Minas não detalha os riscos que a água pode causar e veio acompanhado de um relatório que demonstra alteração nos níveis da turbidez da água e de alguns metais como alumínio, cádmio, cromo, chumbo, boro, vanádio, bário e níquel. As análises foram feitas com mostras coletadas entre os dias 25 (quando o acidente ocorreu) e 29. Foram encontrados valores até 21 vezes acima do aceitável de chumbo total e mercúrio total.

De acordo com o assessor especial da Secretaria de Estado de Saúde, Bernardo Ramos, a medida é preventiva devido à detecção do aumento do nível de substâncias na água após a tragédia. Ele informa que, até o momento, não foram registrados nenhum atendimento específico em postos e saúde ou hospitais da região atingida.

A indicação da Secretaria de Saúde – caso alguém tenha contato com a água não tratada do Rio Paraopeba ou ingerido alimentos que também tiveram esse contato, e apresentar náuseas, vômitos, coceira, diarreia, tonteira, ou outros sintomas – é que se procure a unidade de saúde mais próxima para informar sobre esse contato.

As secretarias também informaram que o contato eventual com a água não causa risco de vida, mas deve ser respeitada uma área de 100 metros das margens. Para os bombeiros, que trabalham diretamente com o solo, a nota indica o uso constante de equipamentos de segurança.

Lama de barragem já percorreu 100 km

Um levantamento realizado pela consultoria Ramboll indica que a lama da barragem da mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), já percorreu cerca de 100 quilômetros até a quarta-feira (30/1). Pelos cálculos da consultoria, a lama está descendo a uma velocidade de 1 quilômetro por hora, mais lentamente do que no vazamento de Mariana (MG), ocorrido em 2015.

Com base em informações de dezenas de nanosatélites, a equipe de geosoluções da consultoria estima que a lama deverá alcançar o reservatório da refinaria de Três Marias, que fica a 340 quilômetros do local do acidente. Isso significa, necessariamente, que a lama deve ultrapassar a barreira do reservatório de Retiro Baixo.

Diferentemente de Mariana, a lama de Brumadinho desce mais lentamente porque ela está mais densa. No primeiro episódio, uma segunda barragem – de água – também se rompeu, fazendo com que a lama se diluísse e ampliasse a área atingida. (com informações: agências de notícias)

Leia também:
Brumadinho: relator da ONU alerta para necessidade de monitorar qualidade da água
.. FNU convoca sindicatos para debater a ameaça de privatização do saneamento em todo o país

Urbanitários na resistência: contra à privatização do setor elétrico e do saneamento.
ÁGUA, ENERGIA E SANEAMENTO NÃO SÃO MERCADORIAS!

Fechar Menu